Bsb Flash

Atividade no 21 de janeiro – Dia Nacional do Combate à Intolerância Religiosa

IV Seminário sobre Liberdade Religiosa, Democracia e Direitos Humanos
No dia 21 de janeiro – Dia Nacional do Combate à Intolerância Religiosa

Em tempos de pandemia, a atividade contará com seminário, online, transmitido por plataformas. Organizada pela Comissão de Combate à Intolerância Religiosa (CCIR), Centro de Articulação de Populações Marginalizadas (CEAP) e Centro Cultural da Justiça Federal (CCJF).

“O IV Seminário sobre Liberdade Religiosa, Democracia e Direitos Humanos é absolutamente necessário, uma vez que a intolerância com algumas religiões, como as de matrizes africanas e outras põe em discussão a própria liberdade religiosa e a própria democracia.”, afirma Maria Geralda de Miranda (Profª, pesquisadora e diretora executiva do CCJF)

A data escolhida não é um mero acaso – 21 de janeiro – Dia Nacional de Combate à Intolerância Religiosa. Instituída em 2007, através da Lei nº 11.635, de 27 de dezembro, a data foi escolhida em homenagem a Mãe Gilda, do Axé Abassá de Ogum, que foi vítima de diversas agressões, verbais e físicas, provocadas pelo preconceito à sua religião. Sendo o dia 21 de janeiro, data de falecimento da Mãe Gilda, um alerta e é um importante momento para dar visibilidade à luta pelo respeito a todas as religiões.

IV Seminário sobre Liberdade Religiosa, Democracia e Direitos Humanos
21 de janeiro – quinta

Mesa 1: Política, Religião e Democracia
Das 9h às 10h30
Composta com: Profª. Drª. Christina Vital – Socióloga, Prof. do programa de Pós- Graduação em Sociologia da UFF, colaboradora do ISER / Profº. Drº. Marcelo Camurça – Profº Titular na Universidade Federal de Juiz de Fora e Profº visitante no PPG História na UERJ. Pesquisador bolsista de produtividade no CNPQ / Profº. Drº. Paulo Baía (Sociólogo e Cientista Político  – Profº da UFRJ). Como Mediador: Profº Drº. Babalawô Ivanir dos Santos – Profº do Programa de Pós-Graduação em História Comparada da UFRJ. Interlocutor da CCIR e Conselheiro Estratégico do CEAP.

“O dia 21 de janeiro é uma data que precisa ser memorada todos os dias. Pois as nossas lutas contra a intolerância religiosa e em prol das diversidades e liberdades são cotidianas. Lutamos todos os dias para o caso de Mãe Gilda jamais seja esquecido”, declara o sacerdote Ivanir dos Santos

Mesa 2: Religiões no Campo do Direito
Das 11h às 12h30

Promotor Júlio José Araujo Junior  (MPF) / Drº Gustavo Proença – Dr. em Direito – Advogado / Jadir Brito – Dr. em Direito Constitucional (PUC-SP) – Profº da UFRJ. Mediador: Dr. Rafael Soares – Ogan d’Oxossi da Casa Branca – BA, Diretor Executivo de KOINONIA

Mesa 3: Religiões nos Meios de Comunicação
Das 14h às 15h30
Conduzida com o Profº. Drº. Milton Cunha – Carnavalesco / Magali Cunha- Drª em Ciências da Comunicação, pesquisadora em Comunicação, Política e Religiões, jornalista articulista da revista Carta Capital / Marcos Pimentel – Documentarista e cineasta /  Profª.  Pós-doutora Helena Theodoro –  Pesquisadora no Laboratório de História das Experiências Religiosas da UFRJ e Coordenadora do LUPA Carnaval / LHER/UFRJ. Mediadora: Gayaku Deusimar – Coordenadora Mulheres de Axé do Rio

Mesa 4: Estado Laico e Liberdades
Das 16h às 17h30

Com o Profº. Drº. Wallace dos Santos de Moraes (Departamento de Ciência Política, PPGF e PPGHC / UFRJ. Coordenador do grupo de pesquisa CPDEL (Coletivo de Pesquisas Decoloniais e Libertárias) / Drº. Jaime Mitropoulos – Procurador da República / Dr° André Fonte – Desembargador no Tribunal Regional Federal da 2ª Região (RJ e ES). Doutor em Direito pela UERJ. Profº na UniRio. Mediador: Adriano Rosa, Pós Dr. Saúde Coletiva, Doutor em Educação Física e Mestre em Sociologia.

“As nossas resistências, contra todas as formas de opressões e tentativas de coibir as nossas liberdades religiosas, é histórica. Em todos os períodos históricos da formação social do Brasil, precisamos lutar para assegurar os nossos direitos de culto”, completa Ivanir dos Santos.

A atividade ganhou apoio do Laboratório de História das Experiências Religiosas da Universidade Federal do Rio de Janeiro (LHER/UFRJ). Coordenadoria de Experiências Religiosas Africanas, Afro-brasileiras, Racismo e Intolerância Religiosa – (ERARIR/LHER/UFRJ) e Coletivo Maitê Ferreira. Grupos que vêm gradativamente atuando no combate ao racismo e à intolerância.

Dia 21 de janeiro, seminário das 9h às 17h30

Transmitidas simultaneamente pelas plataformas:

youtube.com/c/CentroCulturalJustiçaFederal

www.youtube.com/c/CEAPOFICIAL

https://www.facebook.com/ceap.rj/

Outras atividades 

Às 11h30 – Celebração inter-religiosa do Dia Nacional de Combate à Intolerância Religiosa

Reúne sacerdotes dos vários credos que compõem a CCIR.  Unidos em mensagem de esperança e fé, na busca de harmonia e respeito às diferenças.

Às 18h – Mesa: Intolerância Religiosa e Responsabilidade dos Meios de Comunicação

Com jornalista Cleidiane Ramos – candomblé, da Casa de Mãe Jaciara, herdeira de Mãe Gilda / Haidar Abu Talib,  muçulmano estudioso das relações das religiões / Graça Duarte, jornalista, cigana, ekedi, dedicada às religiões  da natureza e Diane Kuperman, jornalista, judia, dedicada ao combate à Intolerância Religiosa e à ética nos meios de comunicação.

Ambas com transmissão: facebook.com/CaminhadaemDefesadaLiberdadeReligiosa

E fecha a grade com o lançamento do livro História Social da Intolerância Religiosa no Brasil: Desafio na contemporaneidadePublicado na versão Ebook e impressa pela Editora Kliné. Organizado por Ivanir dos Santos, em parceria com a Profª. Doutoranda Mariana Gino – Coordenadora do Coletivo Maitê Ferreira, CEAP e Profª do Curso de Direito da Universidade Candido Mendes. O livro traz artigos de pesquisadores de diversas universidades nacionais e internacionais, que se debruçam sobre o tema.

*O livro é resultado do trabalho que vêm desenvolvendo ao longo dos últimos 5 anos à frente da Coordenadoria de Experiências Religiosas Tradicionais Africanas, Afro-brasileiras, Racismo e Intolerância Religiosa (ERARIR), área de pesquisas do Laboratório de História da Experiências Religiosas da UFRJ (LHER/UFRJ). A parceria dos professores já rendeu outro título com a editora. Com o livro Intolerância Religiosa no Brasil: Relatório e Balanços, em 2016. Que trouxe o cenário nacional da intolerância religiosa no Brasil.

Às 20h – Transmissão: facebook.com/babalawoivanirdossantos

Compartilhe

Share on facebook
Facebook
Share on twitter
Twitter
Share on pinterest
Pinterest
Share on linkedin
LinkedIn

Atualizações Recentes

Doença Falciforme afeta 7 milhões de brasileiros e metade da população diz desconhecer a doença

O Dia Mundial de Conscientização sobre a Doença Falciforme é celebrado em 19 de junho para trazer conhecimento sobre o caso 47% da população diz

De forma divertida, filhos comandam as redes sociais de Nanah durante a gravação do reality Ilha Record

A cantora, que também é influencer e empresária, deixou os filhos tomarem conta do seu Instagram durante o confinamento Desde que se popularizaram os reality

“Mundo Diferente”: mesmo escrita antes da Pandemia, música tem letra que retrata momento atual

Uma música que começou a ser escrita há alguns anos e finalizada uma semana antes da Pandemia Mundial do Coronavírus, tem muito a ver com

Kamaizar Lidera em App Palco MP3 como um dos mais baixado em MG

De origem humilde e da cidade de Curvelo no interior do estado de Minas Gerais, localizada há cerca de 168 km de Belo Horizonte, nasceu

%d blogueiros gostam disto: