Empreendimento localizado próximo à BR 153 e ao anel viário terá foco em empresas de logística e distribuição. A área total para venda é 900 mil m², dividida em 105 lotes com metragens que variam de 2.800 m² a 60 mil m². O loteamento empresarial contará com  ruas largas, asfalto 5 CM (CBUQ), o que é ideal para manobras e rodagem de grandes veículos, e ainda tecnologia de fibra ótica

Visando aproveitar o forte potencial logístico de cidade de Aparecida de Goiânia, a Global Park e mais seis investidores lançam no próximo sábado, dia 7 de dezembro, um bairro empresarial com  foco em empresas de logística e distribuição. A área total para venda é 900 mil m², dividida em 105 lotes com metragens que variam de 2.800 m² a 60 mil m². O loteamento, localizado próximo à BR 153, ao anel viário e aos pólos industriais de Aparecida, Daiag e Dimag, trará  ruas largas, com caixas a partir de 15 metros, e asfalto 5 CM (CBUQ), ideal para manobras e rodagem de grandes veículos de carga como caminhões-cegonha, bitrens ou treminhões. O bairro empresarial terá ainda tecnologia de fibra ótica, além de completa infraestrutura urbana com água, esgoto, galeria pluvial e rede de energia, e ainda uma área verde destinada a preservação embrenhar de 365 mil M2.

 

De acordo com o empresário Emanuel Camargo, um dos empreendedores responsáveis pelo Global Park Loteamento Empresarial e Logístico, além de sua localização geográfica única, Aparecida é uma das poucas cidades no País preparadas para receber o tráfego de grandes veículos de carga vindos de várias partes do Brasil. “Por exemplo, para veículos grandes como bitrens chegarem a cidades como Trindade, passando por rodovias  menores é muito difícil, imagine então transportar uma carga enorme para cidades do interior da Bahia, do Maranhão ou Pará. Então as empresas têm um ponto estratégico de distribuição e escoamento de seus produtos e as cargas são fracionadas” explica Emanoel.

 

*Demanda*

O empresário é fundador da MultiplaLog, uma das empresas investidoras do empreendimento e que tem mais de 400 mil m² de áreas construídas no sistema built to suit, que é construir para alugar. “Como somos uma empresa goiana especializada na construção de armazéns e grandes galpões, percebemos uma grande procura, por parte de empresas vindas de fora, querendo se instalar em Aparecida justamente por causa desta localização geográfica privilegiada da cidade. Devido a falta de áreas preparadas para receber essas empresas, resolvemos apostar num pólo logístico e de distribuição em Aparecida”,revela Emanoel Camargo. Para ele, Aparecida de Goiânia é justamente este lugar estratégico para receber empresas de confecção, centros de distribuição, pontos logístico de grandes grupos atacadistas, empresas de transporte rodoviário.

Para Camargo, além da completa infraestrutura, localização privilegiada próximo a BR-153 e ao Anel Viário da Região metropolitana de Goiânia, as empresas que se instalarem no Global Park terão outra importante vantagem. “Nesse empreendimento, diferente do que ocorre nos pólos empresariais ou industriais públicos, onde o lote é cedido em regime de comodato  então sem escritura, o empresário é dono, e isso facilita porque a empresa irá investir num patrimônio seu, que poderá ser vendido, ou que pode ser usado para conseguir financiamento para expansão”, explica o investidor.

Artigo anteriorDudu Bar abre a agenda para encomendas de Natal
Próximo artigoNatal de gentilezas
Avatar
A jornalista Isabel Almeida, trabalha atualmente na Embrapa, é editora do site bsbflash, youtuber do canal Flash Brasília e escreve em diversos sites como: colunista do jornal Alô Brasília. Natural de Brasília, já trabalhou em diversos órgãos do DF, como na Secretaria de Educação; na Administração Regional do Gama; na Secretaria de Saúde, na Câmara Distrital, e também em GO, na prefeitura de Valparaíso, na gestão de José Valdécio . Atuou também no Conselho Federal de Engenharia e Agronomia- Confea, foi editora da revista Fala Prefeito; e colunista da revista AC/DF e colunista do site AIB News do Rio de Janeiro. Desde 2010 é vice-presidente da Câmara de Comércio Brasil e Portugal,e em 2016, foi nomeada presidente do Conselho comunitário do Octogonal e Sudoeste.