Coworking residencial: conheça a tendência que segue no mercado imobiliário para 2022
Coworking

Coworking residencial: conheça a tendência que segue no mercado imobiliário para 2022

Coworking residencial: conheça a tendência que segue no mercado imobiliário para 2022

Espaços de trabalho colaborativo dentro dos empreendimentos residenciais viram demanda nos projetos da construção civil no Distrito Federal

Com o avanço da vacinação e diminuição dos casos de Covid-19 no Brasil, as pessoas inseridas no mercado de trabalho, que tiveram que adotar o estilo home office, começam a se perguntar como será a adaptação e o retorno à “normalidade” depois da pandemia.

Mas apesar do trabalho remoto ou da forma híbrida ter virado uma realidade no Brasil, e em muitos outros países, diversas pessoas que trabalham nestas modalidades enfrentam um desafio: como se manterem produtivas em meio à tanta distração do dia a dia da casa? Foi a partir dessa necessidade que surgiu o conceito coworking. Seguindo essa demanda coletiva, muitas empresas no segmento da construção civil têm apostado nessa tendência que consiste na junção entre o profissionalismo do trabalho com a comodidade e a qualidade de vida do trabalho remoto.

Para o gerente de projetos da Brasal Incorporações, Rodrigo Cataldi, a empresa foi pioneira e percebeu, mesmo antes da pandemia da Covid-19, que o mercado imobiliário precisava oferecer espaço como estes, aos profissionais autônomos que trabalham a distância. “É um diferencial para os nossos clientes conseguir trabalhar em um local confortável e equipado, e o melhor: sem sair do seu condomínio. Temos três empreendimentos recentes com essas características, o Reserva Lumini, Auster Brasal e Reserva Mykonos”, comentou.

Com a pandemia da Covid-19, o modelo de coworking tem se mostrado uma excelente opção para profissionais informais, freelancers e empresas, barateando custos e oferecendo facilidades, já que esses espaços podem atender a profissionais que precisam de um local físico para desenvolver seus trabalhos.

A depender dos trabalhadores, o modelo híbrido deverá permanecer. Estudo da WeWork e da WorkPlace Intelligent, empresa de consultoria de RH, indicou que 95% desejam continuar combinando as atividades em casa e na empresa.

A tendência é que esses espaços se tornem ainda mais procurados, já que eles são boas opções para empresas que desejam aderir a modelos de trabalho mais flexíveis ou para empreendedores que estão buscando separar a vida pessoal e profissional. “Com essa tendência, os novos lançamentos da Brasal tenderão a trazer um coworking residencial como espaços democráticos em que os profissionais desenvolvam seus projetos sem o isolamento do home office ou as distrações de espaços públicos, em um local com a marca da empresa: soluções inteligentes e versáteis, agregando mais conforto, inovação tecnológica e praticidade”, disse Rodrigo.

Vantagens do coworking dentro do condomínio

Flexibilidade, conforto, economia, infraestrutura completa, possibilidade de networking com surgimento de novas parcerias e negócios, além de mais produtividade e qualidade de vida para o morador. Esses são exemplos de vantagens de um coworking residencial.

Com um espaço específico para o trabalho, o coworking nos condomínios proporciona que a pessoa, por estar praticamente em casa, faça uso de roupas mais confortáveis para trabalhar, além de almoçar em casa e ir até o espaço faltando poucos minutos para o início da sua jornada de trabalho.

Outro aspecto muito importante é a economia com combustível ou condução, para quem utiliza transporte público. E, por fim, algo muito importante é que os usuários (empresários e empreendedores) observem as regras de funcionamento do coworking. Por isso, atente-se ao horário em que o local pode ser utilizado, se existe um dress code pré-estabelecido, além de verificar se o espaço pode ser aproveitado por mais de um morador da mesma unidade.

Serviço

Conheça mais sobre os empreendimentos Brasal – https://www.brasal.com.br/incorporacoes/

A jornalista Isabel Almeida, trabalha atualmente na Embrapa, é editora do site bsbflash, youtuber do canal Flash Brasília e colunista do jornal Alô Brasília. Natural de Brasília, já trabalhou em diversos órgãos do DF, como na Secretaria de Educação; na Administração Regional do Gama; na Secretaria de Saúde, na Câmara Distrital, e também em GO, na prefeitura de Valparaíso, na gestão de José Valdécio. Atuou também no Conselho Federal de Engenharia e Agronomia- Confea, foi editora da revista Fala Prefeito; e colunista da revista AC/DF e colunista do site AIB News do Rio de Janeiro. Desde 2010 é vice-presidente da Câmara de Comércio Brasil e Portugal, e em 2016, foi nomeada presidente do Conselho comunitário do Octogonal e Sudoeste.