De olho nas férias? Saiba quais são as vacinas necessárias para aproveitar a viagem

De olho nas férias? Saiba quais são as vacinas necessárias para aproveitar a viagem

De olho nas férias? Saiba quais são as vacinas necessárias para aproveitar a viagem

De olho nas férias?

Mantenha seu cartão de vacinas em dia e viaje sem preocupação

Com a chegada do período das férias escolares as famílias já começam a organizar a viagem. Mas, para que os momentos de lazer sejam prazerosos é preciso estar atento a todos os detalhes. Uma das prioridades é colocar o cartão de vacinação em dia. Alguns estados brasileiros, assim como países do exterior, exigem a apresentação do cartão de vacinação atualizado para algumas doenças imunopreveníveis. O objetivo é evitar a transmissão de doenças que ainda não foram erradicadas.
Segundo Carlos Eduardo Pereira, Diretor Executivo da Bancorbrás Turismo, “além de proteger o turista, a vacina resguarda a população local. A imunização é um meio do país se precaver de visitantes estrangeiros que possam levar doenças para o seu território”, explica. Por isso, sem as devidas vacinas o viajante corre o risco de não embarcar para o seu destino. Há países na América do Sul e em outros continentes que solicitam também o Certificado Internacional de Vacinação ou Profilaxia (CIVP)”, comenta.
A Índia, por exemplo, exige a vacina contra o sarampo; já a África do Sul e a Colômbia contra a febre amarela. Outras vacinas, como para COVID, poderão ser exigidas e/ou recomendadas, como medida preventiva aos que se deslocam para áreas de risco em qualquer parte do mundo.
Aqueles que planejam viajar pelo Brasil também precisam estar atentos. Devido a extensão do território nacional, o Ministério da Saúde orienta que a imunização seja realizada para evitar doenças infecto-contagiosas. De acordo com o Claudilson Bastos, médico infectologista e responsável técnico do serviço de imunização do Sabin Medicina Diagnóstica, a melhor opção é a prevenção. Ela reforça que o ideal é tomar as vacinas com antecedência mínima de duas semanas antes da viagem, tempo necessário para que o organismo esteja protegido, além das precauções básicas do dia a dia”.
É importante salientar que cada imunizante possui seu próprio esquema vacinal. Também, devemos checar se a vacina possui a necessidade de uma segunda dose e qual o intervalo necessário. Caso a viagem inclua gestantes, crianças e/ou idosos, os cuidados devem ser redobrados. Doenças como poliomielite (paralisia infantil), cólera, diarreia do viajante e caxumba atingem a população com frequência. O Sabin Medicina Diagnóstica oferece imunização a todas as idades em atendimento domiciliar ou no trabalho, facilitando a vida das pessoas que sofrem com a falta de tempo ou com problemas de mobilidade reduzida, como é o caso de alguns idosos e pessoas com necessidades especiais.

Veja as principais vacinas para quem vai viajar:

Vacina O que previne? Esquema vacinal
Meningo B e ACWY Contra meningites e infecções generalizadas causadas pela bactéria meningococo do tipo b
  • Para crianças, as sociedades brasileiras de Pediatria (SBP) e de Imunizações (SBIm) recomendam o uso rotineiro de duas doses e um reforço da vacina meningocócica B: aos 3 e 5 meses de vida e entre os 12 e 15 meses. O esquema, no entanto, pode variar de acordo com a idade de aplicação da primeira dose
  • Para adolescentes não vacinados antes, a SBP e a SBIm recomendam duas doses com intervalo de um mês.
  • Para adultos com até 50 anos, em situações que justifiquem: duas doses com intervalo de um mês.
Sarampo, caxumba e rubéola A vacina Tríplice Viral previne contra Sarampo, Caxumba, Rubéola
  • A SBIm considera protegido todo indivíduo que tomou duas doses na vida, com intervalo mínimo de um mês, aplicadas a partir dos 12 meses de idade.
  • Como rotina para crianças, as sociedades brasileiras de Pediatria (SBP) e de Imunizações (SBIm) recomendam duas doses: uma aos 12 meses e a outra aos 15 meses, podendo ser usadas a vacina SCR ou a combinada SCR-V (tetraviral).
  • Para crianças mais velhas, adolescentes e adultos não vacinados ou sem comprovação de doses aplicadas, a SBIm recomenda duas doses, com intervalo de um a dois meses.
DTpa (Tríplice Bacteriana Adulto Acelular) Confere proteção contra difteria, tétano e coqueluche
  • Pode ser usada para a dose de reforço prevista para os 4-5 anos de idade.
  • Recomendada para o reforço na adolescência.
  • Recomendada para os reforços em adultos e idosos.
  • Para crianças com mais de 7 anos, adolescentes e adultos que não tomaram ou sem registro de três doses de vacina contendo o toxoide tetânico anteriormente, recomenda-se uma dose de dTpa seguida de duas ou três doses da dT.
Febre Amarela Febre Amarela
  • Crianças até 4 anos: duas doses, aos 9 meses e aos 4 anos.
  • Acima de 4 anos: Não há consenso sobre a duração da proteção conferida pela vacina. De acordo com o risco epidemiológico, uma segunda dose pode ser considerada pela possibilidade de falha vacinal
Gripe (influenza H1N1 e sazonal) Vacina que previne Infecção pelo vírus Influenza, que causa a gripe.
  • Para crianças entre 6 meses e 8 anos de idade: duas doses na primeira vez em que forem vacinadas (primovacinação), com intervalo de um mês e revacinação anual.
  • A partir de 9 anos: dose única anual
Hepatite A e B Infecções do fígado (hepatites) causadas pelos vírus da Hepatite A e Hepatite B
  • Para crianças e adolescentes a partir de 1 ano e menores de 16: duas doses com intervalo de seis meses.
  • Para adolescentes a partir dos 16 anos, adultos e idosos: três doses, sendo a segunda aplicada um mês após a primeira, e a terceira, cinco meses após a segunda.
  • Pessoas com indicação de dose dobrada da vacina hepatite B ou esquema de quatro doses devem receber complementação com a vacina hepatite B.

Fonte: Sociedade Brasileira de Imunização – SBIm

Vinkmag ad

Redação

Read Previous

Feira de Arte e Artesanato em Cerâmica prorroga inscrições gratuitas para artistas do DF e Entorno

Leia a seguir

ConvidaLab abre capacitação para bandas do Distrito Federal em janeiro/2022

janeiro 19, 2022