Para quem vai para lá vale saber dos costumes vizinhos

 

Crédito das imagens:   Uruguay – Pedro Serra – Pedro Serra

Meio y Medio – foto de divulgação facebook Roldós

Na véspera de natal e ano novo centenas de uruguaios se encontram no Mercado del Puerto, em Montevidéu, para uma famosa guerrilha de cidra e cerveja. A tradição de ficar encharcado vem de muitos anos e é muito divertida.  A maioria dos frequentadores são trabalhadores, que saem direto da “Ciudad Vieja” e se reúnem com os companheiros. Centenas de turistas se misturam a multidão, onde só tem alegria e diversão.

Além do banho de cidra e cerveja no porto, outras festas ganharam espaço ao longo dos anos. Principalmente no bairro de Palermo, mais precisamente nas ruas Jackson, Blanes, Canelones, Maldonado e entorno. Os bares e pubs dessas passarelas de cimento, que atendem ao público universitário e mais jovem, entram no clima e se preparam para o trabalho intenso dos dias 24 e 31 de dezembro em que as celebrações começam ao meio dia.

No natal é comum comer uma deliciosa “parrilla completa” com carne, linguiça e miúdos, prato internacionalmente conhecido, acredite é bem corriqueiro. Esse menu da dieta uruguaia está entre os mais famosos costumes gastronômicos do país e não poderia ser diferente nesta data. Um turista que se prese deve provar a iguaria.

Logo depois churrasco de natal, estão todos convidados a um brinde na “Rambla” da capital, um clássico da juventude uruguaia, que depois de jantar com a família, costuma se reunir ao longo da extensa orla do Rio da Prata, principalmente na área de Pocitos, e assim celebrar o Natal com os amigos. Vários carros estacionam as margens do rio da prata e transformam o calçadão em uma discoteca a céu aberto.

A passagem de ano no Uruguai se brinda com Medio y Medio (meio a meio) – drinque tradicional feito metade de vinho branco e metade espumante moscatel, o mais famoso é o do Roldós, produzido desde 1886, possível encontrar em supermercados e lojas especializadas.

Como bons latino-americanos, os uruguaios também carregam uma série de superstições e, algumas delas, são bem curiosas. Para nós, a lentilha não pode faltar na ceia de ano novo, mas, no caso deles, a salsinha jamais pode ficar de fora e segundo costumam dizer: essa prática favorece a abundância e prosperidade.

Para atrair a boa sorte, vale comer 12 uvas à meia noite, uma para cada badalada do sino da igreja; vale antes da meia-noite varrer a casa com uma vassoura velha e depois com uma nova e; vale também usar roupa interior amarela na virada do ano.

Agora, curioso mesmo é dar uma volta no quarteirão carregando uma mala, segundo as crendices, atrai viagens a lazer no próximo ano. Tem quem acredite que jogar um balde de água pela janela, expulse as más vibrações da casa ou do escritório.

É até simpático aderir aos hábitos de outra cultura, dê a volta na quadra com a mala, jogue o balde de água pela janela, e continue passando de branco. Compense as ondas que ficarão para o próximo ano com a inserção de novos costumes.

Artigo anteriorAna Paula Minerato e Tânia Oliveira são laureadas em Premiação
Próximo artigo2ª Edição do LIFA Brasil
Avatar
A jornalista Isabel Almeida, trabalha atualmente na Embrapa, é editora do site bsbflash, youtuber do canal Flash Brasília e escreve em diversos sites como: colunista do jornal Alô Brasília. Natural de Brasília, já trabalhou em diversos órgãos do DF, como na Secretaria de Educação; na Administração Regional do Gama; na Secretaria de Saúde, na Câmara Distrital, e também em GO, na prefeitura de Valparaíso, na gestão de José Valdécio . Atuou também no Conselho Federal de Engenharia e Agronomia- Confea, foi editora da revista Fala Prefeito; e colunista da revista AC/DF e colunista do site AIB News do Rio de Janeiro. Desde 2010 é vice-presidente da Câmara de Comércio Brasil e Portugal,e em 2016, foi nomeada presidente do Conselho comunitário do Octogonal e Sudoeste.