Dermatologista aponta cuidados e tratamentos para amenizar esses os efeitos causados pela perda de peso
Quando alguma pessoa está acima do peso ou com quilos acima do ideal para a idade e estatura corporal, o rosto é um dos locais em que o excesso fica logo evidente. Da mesma forma, quando se elimina alguns quilos ou se está abaixo do peso, é pelo mesmo lugar que as primeiras percepções aparecem.

Isso ocorre porque o rosto é como se fosse a “vitrine” de uma pessoa. Ele é a parte do corpo humano que fica mais exposta e, por este motivo, deve ser bem cuidada e preservada.

“Não é apenas uma questão de aparência física, mas sim, de cuidado com o corpo e consigo mesmo. O rosto e o pescoço, diariamente, são expostos ao sol, frio, ventos, poeiras e outras circunstâncias. É preciso estar atento”, pontua o dermatologista Erasmo Tokarski.

A flacidez cutânea é comum de acontecer após um processo de perda de peso.  Quando o emagrecimento ocorre de forma rápida, como é o caso dos pacientes bariátricos, a visibilidade se torna maior.  É que, assim como o corpo, ao eliminar gordura, a face também fica mais fina, e com isso, a pele pode formar rugas e ganhar um aspecto mais abatido e envelhecido. Para o especialista, isso ocorre porque a pele perde sustentação com a eliminação de gordura. Mas a boa notícia é que é possível combater esse problema com a ajuda de uma boa alimentação e procedimentos estéticos direcionados para a área.

“O ideal é que a pessoa que passa pelo processo se submeta a um tratamento completo com a dieta equilibrada que é o que chamamos de suporte interno, associado ao suporte externo que são os cremes de rejuvenescimento, e  ação antioxidante, além da reposição de vitaminas, colágeno e intervenções com funções reparadoras. É importante que o cuidado com a pele seja iniciado junto ao processo de perda de peso “, explica Tokarski.

De acordo com especialistas em emagrecimento, um processo de perda de peso saudável acontece quando se diminui até, no máximo, um quilo por semana, pois esse é considerado o número ideal para evitar a flacidez e também para aumentar a probabilidade de o peso reduzido ser mantido. Contudo, como cada paciente tem uma demanda diferente, é possível seguir alguns passos e evitar que a flacidez venha a ser um novo problema. Confira:

Reparo: se a urgência é corrigir a flacidez causada na pele, as substâncias mais indicadas são os antioxidantes, como as vitaminas C, E, resveratrol. A realização de  skincare (em português “cuidados com a pele”) faz bastante sentido. Ela reúne cremes com antienvelhecimento de composição com ação antioxidante, que aumentam a firmeza e dão luminosidade à pele.

“Essas vitaminas agem neutralizando os radicais livres por meio da hidratação e proteção celular, retardando o envelhecimento da pele”, detalha Erasmo Tokarski.

Reposição: repor o colágeno perdido durante o processo de emagrecimento é de extrema importância, por isso, investir em cremes que estimulem a produção dessa proteína é fundamental. Além disso, tratamentos como o peelings, preenchimentos, bioestimuladores e lasers ajudam a pele a fabricar mais colágeno nas áreas tratadas e assim conseguir uma pele mais bonita em pouco tempo. Eles são usados para combater rugas, estrias, manchas e até celulite, pois a pele produz mais colágeno e se rejuvenesce.

Proteção: manter o uso de filtro solar com FPS acima de 30 é indispensável em qualquer fase ou idade, pois o efeito é cumulativo e a longo prazo. “Os raios UV aceleram o processo de envelhecimento e liberam ainda mais radicais livres”, reforça o dermatologista.

Artigo anteriorMed-Rio Check-Up realizou 8400 exames durante a pandemia
Próximo artigoHumorista deixa escapar possível participação no reality show da Anitta
Avatar
A jornalista Isabel Almeida, trabalha atualmente na Embrapa, é editora do site bsbflash, youtuber do canal Flash Brasília e escreve em diversos sites como: colunista do jornal Alô Brasília. Natural de Brasília, já trabalhou em diversos órgãos do DF, como na Secretaria de Educação; na Administração Regional do Gama; na Secretaria de Saúde, na Câmara Distrital, e também em GO, na prefeitura de Valparaíso, na gestão de José Valdécio . Atuou também no Conselho Federal de Engenharia e Agronomia- Confea, foi editora da revista Fala Prefeito; e colunista da revista AC/DF e colunista do site AIB News do Rio de Janeiro. Desde 2010 é vice-presidente da Câmara de Comércio Brasil e Portugal,e em 2016, foi nomeada presidente do Conselho comunitário do Octogonal e Sudoeste.