Bsb Flash

Estudo mostra que criatividade se perde com o tempo

Estudo mostra que criatividade se perde com o tempo

Sistema educacional é apontado como uma das causas do problema

Um estudo encomendado pela NASA pode jogar luz sobre uma discussão que mobiliza especialistas e educadores. A pesquisa, conduzida pelos cientistas George Land e Beth Jarman, se baseia em testes realizados com 1.600 crianças nos EUA. No primeiro teste, as crianças tinham entre 3 e 5 anos e 98% apresentaram alta criatividade; o mesmo grupo foi testado aos 10 anos e esse percentual caiu para 30%; aos 15 anos, somente 12% mantiveram um alto índice de criatividade. Um teste similar foi aplicado posteriormente em mais 200 mil adultos e apenas 2% se mostraram altamente criativos. Para os cientistas que conduziram os testes, a conclusão é de que ao longo do tempo as pessoas aprendem a ser ‘não criativos’.

Onde está o problema? A família, a escola e as empresas têm tido sucesso em inibir o pensamento criativo. Os pais, ao educar, ainda que inconscientemente, acabam tolhendo e limitando o desenvolvimento do ‘pensar’ dos filhos, ensinando, desde cedo, que há apenas dois caminhos a seguir: o certo e o errado. Empregadores e gestores que adotam discursos valorizando a criatividade, muitas vezes também seguem na direção contrária, engessando e formatando fluxos e processos. Embora o mercado de trabalho valorize cada vez mais a criatividade como um atributo essencial, as empresas ainda falham ao não rever processos internos, metodologias e estruturas organizacionais que comprometem o exercício e o estímulo ao livre pensamento. Um estudo feito pela Adobe com mais de 5 mil pessoas em cinco países mostrou que profissionais criativos têm uma renda até 13% mais alta que os demais. Além disso, esses indivíduos são mais produtivos e mais competitivos. Nada mais lógico, então, que estimular o exercício da criatividade desde cedo.

O assessor de Arte do Sistema de Ensino Aprende Brasil, Rafael Pawlina, explica que “desenvolver a criatividade é tão importante para os estudantes quanto qualquer outro conteúdo do currículo escolar. Tanto que está incluída entre as competências socioemocionais propostas pela Base Nacional Comum Curricular (BNCC)”. Segundo ele, é por meio da criatividade que as crianças poderão colocar os conteúdos em prática – e cabe à escola contribuir com um ambiente que permita desenvolver essa habilidade.

Arte para alimentar a criatividade

Algumas iniciativas simples podem contribuir nesse sentido. No pequeno município de Içara, perto do litoral de Santa Catarina, a Secretaria de Educação entendeu que, principalmente devido à pandemia de Covid-19, era necessário investir em atividades que ajudassem a aflorar a ludicidade e a criatividade nos estudantes da rede municipal. Assim nasceu o projeto “Um Artista em Minha Casa”, que promoveu encontros virtuais entre as crianças e artistas de diversas áreas para falar sobre arte e criatividade.

A coordenadora pedagógica de artes da rede municipal de ensino, Lilian Rosane Phillippi, explica que a ideia do projeto é permitir que as crianças conheçam e interajam com artistas locais e nacionais. “Trabalhamos com alunos de várias séries juntos, estudando vida e obra dos artistas e, depois, trouxemos esses artistas para ter uma conversa com as turmas”.

Iniciativas como essa são fundamentais para a construção de repertório das crianças, como lembra Pawlina. “Quando criamos, estamos, na verdade, acessando nossa memória e buscando referências ali. No caso de um desenho, vamos buscar referências de imagens que vimos, lugares em que estivemos, vivências que tivemos. Depois é que vamos colocar isso no papel. Então, oferecer repertório para os estudantes é essencial, porque amplia as possibilidades que eles vão acessar quando precisarem ser criativos”, explica.

Escola criativa

A criatividade também pode ser estimulada eliminando práticas que limitam o potencial criativo dos estudantes. Pawlina alerta que, ao dar um problema para a criança resolver, é preciso deixar que ela o resolva sem limitar as possibilidades a “certo” e “errado”. “Muitas vezes, a criança não consegue ser criativa porque está com medo de errar. Quanto mais medo de errar, menos criativa ela será. Então é bom deixarmos as crianças livres para pensar fora da caixa”, finaliza.

Segundo o jornalista, publicitário e escritor Paulo Tadeu, autor do livro “Exercícios de Criatividade: 50 desafios para a mente sair do lugar comum”, no ambiente escolar, sempre existe uma briga entre disciplina e indisciplina. “A mente criativa tem uma indisciplina interna, está sempre buscando sair do lugar comum. Por outro lado, a criatividade precisa da repetição, da transpiração – e isso requer disciplina. Cabe à escola, portanto, equilibrar a necessidade da disciplina e a possibilidade da criação e inovação livres”, afirma.

Outro fator importante, segundo Tadeu, é permitir que os estudantes entendam que é possível ser criativo em qualquer área, em qualquer momento. “A criatividade não está ligada apenas a atividades artísticas ou profissões específicas, mas principalmente às mentes curiosas. Hoje, isso é muito visto no universo das startups, com jovens criando empresas, produtos, ideias novas e vendo que a inovação traz resultados, traz dinheiro. Ser criativo não é necessariamente ser revolucionário. A humanidade evolui com pequenas inovações, pequenos ajustes”, destaca.

Esses e outros debates sobre o papel das escolas no estímulo à criatividade estão no 17º episódio do podcast PodAprender, cujo tema é “Criatividade: como desenvolver, praticar e ensinar?”. O programa pode ser ouvido no site do Sistema de Ensino Aprende Brasil (sistemaaprendebrasil.com.br), nas plataformas Spotify, Deezer, Apple Podcasts, Google Podcasts e nos principais agregadores de podcasts disponíveis no Brasil.

Compartilhe

Share on facebook
Facebook
Share on twitter
Twitter
Share on pinterest
Pinterest
Share on linkedin
LinkedIn

Atualizações Recentes

Ana Tereza Basílio

Captação de Clientes Pós-Pandemia

Luciano Bandeira, presidente da OAB-RJ, Ana Tereza Basílio, vice-presidente da entidade, Marcus Soares, presidente da OAB da Barra da Tijuca, Claudete Capelle do Vale, presidente

Luize Valente | Live sobre o Judaísmo

Live sobre o Judaísmo

A escritora e jornalista Luize Valente faz live, nesta segunda (dia 26 de julho), às 21hs, pela Plataforma Zoom, sobre o Judaísmo Nosso de Cada

No mês dos avós, o cardiologista dá dicas para conseguir a longevidade

No mês dos avós, o cardiologista dá dicas para conseguir a longevidade

Profissional do ICTCOr alerta para os cuidados com o envelhecimento cardiovascular No Brasil, segundo o Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE), mais de 29

Confraria Amigos da Barra faz homenagem a Mário Saladini

O ex-jornalista e ex-deputado Mário Saladini ( 1916-2009), que criou, nos anos 40, o Clube dos Cafajestes, junto com Carlinhos Niemeyer, Mariozinho de Oliveira, Ibrahim

%d blogueiros gostam disto: