Bsb Flash

Exportação de carne suína aumenta 40% e mantém rendimento de indústrias durante pandemia

Com perda de 30% do mercado interno, empresa paranaense buscou alternativas com exportação

A pandemia da Covid-19 trouxe para o setor alimentício, o desafio da realocação de vendas e destino de produtos. Com uma alta de 40,4%, a exportação de carne suína foi uma das soluções encontradas pelas indústrias para manter os rendimentos. Foram 853,4 mil toneladas que seguiram rumo a outros países, de acordo com levantamentos feitos pela Associação Brasileira de Proteína Animal (ABPA).

Na Alegra, indústria de alimentos derivados da carne suína, a estratégia não foi diferente. De acordo com o superintendente Matthias Rainer Tigges, a empresa buscou essa alternativa para suprir a queda de mercado interno. “Em abril, nós perdemos 30% do mercado interno, nacional. Para reorganizar, direcionamos mais volume para a exportação e, ao fim do mês, ficamos somente 7% abaixo do total de faturamento”, explica.

Dentre os países que compram mercadoria da indústria paranaense, Hong Kong, Singapura e Vietnã estão entre os cinco maiores compradores do Brasil, de acordo com a ABPA. Até o momento, em 2020, os países foram responsáveis pela importação 143,1 mil toneladas (Hong Kong), 45,5 mil toneladas (Singapura) e 36,9 mil toneladas (Vietnã) da carne suína brasileira. “Os principais mercados compradores da Alegra, atualmente, são Hong Kong, com 40% do volume de exportação, Vietnã, com 26%, e Singapura, com 17%. Além deles, mais de 30 países estão na nossa lista de exportação, muitos deles nos Emirados Árabes, África e América do Sul”, conta Matthias.

O estado do Paraná, ainda de acordo com a Associação, figurou no terceiro lugar em volume de exportação de carne suína, totalizando 117,4 mil toneladas nos 10 primeiros meses de 2020. Os primeiros postos ficaram com o Rio Grande do Sul e Santa Catarina. Para Matthias, a indústria paranaense ainda tem desafios a serem superados para subir no ranking. “Um dos desafios da exportação de carne suína do Paraná é a certificação internacional de estado livre de aftosa. O reconhecimento global da erradicação da aftosa no nosso estado abriria portas para a exportação para outros continentes e aumentaria as possibilidades de crescimento das indústrias paranaenses.

Atualmente, a Alegra conta com um volume de produção de 9 mil toneladas e certificação para o abate de 3500 suínos por dia. Ao todo, são 1660 colaboradores diretos, além de 118 cooperados, que fornecem a matéria-prima para a produção da indústria.

Sobre a Alegra

A indústria de alimentos Alegra é a união das cooperativas de origem holandesa, Frísia, Castrolanda e Capal, que constituem o grupo Unium. Uma empresa que combina condições de trabalho ideais aliando tecnologia, equipamentos de última geração, preocupação com o bem-estar dos animais e sustentabilidade em seu parque industrial, sempre primando pela excelência em seu produto final, que utiliza as melhores carnes suínas.

Em 2017, a marca conquistou o reconhecimento internacional quanto às Práticas de Bem- estar Animal no abate, tornando-se a primeira planta brasileira a receber essa certificação em bem-estar suíno, pela WQS. Mais informações em www.alegrafoods.com.br.

Compartilhe

Share on facebook
Facebook
Share on twitter
Twitter
Share on pinterest
Pinterest
Share on linkedin
LinkedIn

Atualizações Recentes

Villa Country apresenta Live Arraiá do Cowboy sob comando de Everton Neguinho

Villa Country apresenta Live Arraiá do Cowboy sob comando de Everton Neguinho

Live temática acontecerá neste domingo, 25, a partir das 16h no canal oficial da principal casa sertaneja da América Latina. Prepare o quentão e a

Especialista avalia prós e contras da verticalização nas grandes cidades

Especialista avalia prós e contras da verticalização nas grandes cidades

Para arquiteta e urbanista, numa cidade compacta, a menor necessidade do uso de transporte individual impacta positivamente no trânsito, no meio ambiente e  nos serviços

Nome em ascensão no jazz mundial, Jazzmeia Horn se reinventa em disco que explora questões femininas e raciais de modo inédito

“Dear Love” é antecipado pelo single “Lover Come Back to Me” Unindo jazz com inspirações de R&B e hip hop, Jazzmeia Horn se prepara para

Empresários no Conselho Diretor da Associação Comercial do Rio

Empresários no Conselho Diretor da Associação Comercial do Rio

Com a eleição de José Antonio Nascimento Brito, empossado por sua antecessora, Ângela Costa, para a presidência da Associação Comercial do Rio de Janeiro, no

%d blogueiros gostam disto: