Praticidade, lugares menores e estratégicos tem sido a escolha das novas gerações

A alta do mercado imobiliário é uma aposta para 2020. A taxa Selic, que rege a economia brasileira e guia os juros dos financiamentos imobiliários, registrou o menor índice da história, fechando em 4,5% este ano, tendo um impacto direto na economia e na vida dos brasileiros. Isto significa que o próximo ano será promissor para aqueles que querem sair do aluguel ou procuram alguma forma de investir seu dinheiro – o mercado estará em plena ebulição.

O mercado imobiliário do Distrito Federal fechou 2019 aquecido e segue em alta para 2020. Pesquisa do Sindicato de Habitação do DF (Secovi) confirma o crescimento do setor e calcula aumento de 3% no próximo ano com vendas de imóveis residenciais e comerciais. No ano passado, o reaquecimento do segmento ficou comprovado pelo crescimento no total de empreendimentos inaugurados. Além disso, segundo o estudo houve crescimento de 120% na quantidade de prédios residenciais inaugurados na capital e um aumento de  61% nos negócios em comparação com 2018. 

A tecnologia também tem ajudado nos negócios, já existem mais celulares do que humanos no planeta e isso atrai cada vez o mercado financeiro. O setor imobiliário, por exemplo, foi diretamente afetado por este fato. Segundo o Google, 59% das buscas por imóveis são feitas no celular. E o COMDONO, startup brasiliense, visa as duas altas tendências: imobiliária e tecnológica. O site busca desburocratizar a venda e compra e aluguel de imóveis. Os interessados podem procurar um imóvel do jeito que desejam, que cabe no bolso, e ainda podem realizar uma simulação de financiamento pela tela dos smartphones, tablets ou computadores. 

A adaptação à geração Z também tem mudado a direção dos ventos neste ramo. Os jovens e futuros adultos têm procurado morar em lugares menores e estratégicos. Próximo ao trabalho e à faculdade, com fácil acesso a transporte público e de aplicativos de viagem online. Ou seja, a procura por casas e apartamentos com garagem tem diminuído. 

Os co-livings, vivenciamento compartilhado, também têm atraído adeptos. O ambiente estimula a aproximação e troca de experiências entre pessoas, além de reduzir custos. Aqui no Brasil, um exemplo simples deste tipo de moradia são as repúblicas, normalmente procurada por universitários. 

A realidade virtual já é uma grande aliada dos corretores de imóveis e tende a evoluir com o passar dos anos. “Aqui no COMDONO fazemos da tecnologia nosso braço direito. Além de uma plataforma 100% online, para melhorar a experiência do comprador nós nos dispomos a ir ao imóvel a ser anunciado e tirar fotos em 360º. Essas fotos dão sensação de estar dentro da propriedade, dispensando a visita presencial”, completa Flávio Freitas, sócio e um dos fundadores da startup. 

Especialistas ainda preveem que em pouco tempo a pessoa poderá só apontar o celular para um prédio e saber se há um imóvel para vender ali. 

Cadastro gratuito

Para quem quer vender, basta cadastrar gratuitamente o imóvel e em menos de dois minutos é enviada uma avaliação de valor. O interessado pode ainda solicitar uma avaliação presencial e mais personalizada. No anúncio, vão todas as informações que valorizem o imóvel, além de fotos em 360° feitas sem custos, minimizando a necessidade de visitas no momento preliminar. Já os compradores, podem acessar a todos os anúncios, procurando o que se enquadra em suas necessidades e orçamento.

COMDONO

Endereço: CLN 305 Bloco C 1º Andar – coworking Copa Network – Brasília-DF

Contato: (61) 99448-3087

https://comdono.com/

Artigo anteriorÉ verão! Saiba como evitar as doenças de pele mais comuns da estação
Próximo artigoExtra realiza Festival Tudo de Beleza
Avatar
A jornalista Isabel Almeida, trabalha atualmente na Embrapa, é editora do site bsbflash, youtuber do canal Flash Brasília e escreve em diversos sites como: colunista do jornal Alô Brasília. Natural de Brasília, já trabalhou em diversos órgãos do DF, como na Secretaria de Educação; na Administração Regional do Gama; na Secretaria de Saúde, na Câmara Distrital, e também em GO, na prefeitura de Valparaíso, na gestão de José Valdécio . Atuou também no Conselho Federal de Engenharia e Agronomia- Confea, foi editora da revista Fala Prefeito; e colunista da revista AC/DF e colunista do site AIB News do Rio de Janeiro. Desde 2010 é vice-presidente da Câmara de Comércio Brasil e Portugal,e em 2016, foi nomeada presidente do Conselho comunitário do Octogonal e Sudoeste.