Papai Noel: acreditar ou não?!

Especialista afirma que a crença no bom velhinho é saudável e desenvolve a criatividade

A figura lendária do Papai Noel já é tradição em dezembro. E nada mais normal do que os pais estimularem a crença das crianças no bom velhinho. Afinal, ele é um aliado na transmissão de valores fundamentais, além de incentivar criatividade. De acordo com especialistas, acreditar em “seres” míticos é comum na primeira infância, até mais ou menos os 6 anos,  e conforme for crescendo, o pequeno passa a entender que existe tanto mundo da realidade, quanto o da ficção.

Simbolicamente, o Papai Noel está ligado ao Natal, e esse período do ano é sinônimo de solidariedade. Ele é como os heróis dos quadrinhos ou as princesas dos contos, criados para passar boas mensagens e lições importantes.

Para a psicóloga Lia Clerot, essa fantasia desenvolve a criatividade da criança. “Enquanto os pequenos não conseguem distinguir a fantasia do mundo real, é natural incentivar a imaginação. Mas, a partir do momento que a criança passa a indagar sobre a existência do bom velhinho, os pais devem falar a verdade. Se pergunta, é porque ela já desconfia que não é real. Então, essa é a hora de contar,” explica.

Ainda segundo ela, a fantasia faz parte do lúdico. É por meio dela que a criança explora o imaginário, mas é importante mostrar que até para esse mundo de fantasias existem limites e regras. “Se seu filho, por exemplo, pedir um presente impossível para o Papai Noel, explique ele ele só trabalha com certos tipos de pedidos”, afirma.

Lia também destaca que os pequenos enxergam do Papai Noel em um contexto de alegria, celebração, fartura, presentes, ou seja, remete a coisas boas. “Todas as histórias de fantasia com o “bom velhinho” carregam lições. Por exemplo, só serão recompensados com presentes de natal aqueles que se comportaram ao longo do ano”, completa a psicóloga.

Artigo anteriorCOMDONO facilita compra e venda de imóveis
Próximo artigoEncontro Pet vai movimentar o Natal
Avatar
A jornalista Isabel Almeida, trabalha atualmente na Embrapa, é editora do site bsbflash, youtuber do canal Flash Brasília e escreve em diversos sites como: colunista do jornal Alô Brasília. Natural de Brasília, já trabalhou em diversos órgãos do DF, como na Secretaria de Educação; na Administração Regional do Gama; na Secretaria de Saúde, na Câmara Distrital, e também em GO, na prefeitura de Valparaíso, na gestão de José Valdécio . Atuou também no Conselho Federal de Engenharia e Agronomia- Confea, foi editora da revista Fala Prefeito; e colunista da revista AC/DF e colunista do site AIB News do Rio de Janeiro. Desde 2010 é vice-presidente da Câmara de Comércio Brasil e Portugal,e em 2016, foi nomeada presidente do Conselho comunitário do Octogonal e Sudoeste.