Podemos confiar no MEC? Veja universidades famosas que não foram reconhecidas na plataforma Carolina Bori

Podemos confiar no MEC? Veja universidades famosas que não foram reconhecidas na plataforma Carolina Bori

Podemos confiar no MEC? Veja universidades famosas que não foram reconhecidas na plataforma Carolina Bori

Universidade onde o ex-presidente dos EUA, Barack Obama, se formou não foi reconhecida no Brasil.

Estudantes e pesquisadores brasileiros que fizeram cursos em universidades estrangeiras estão enfrentando dificuldades para validarem seus títulos. Há casos em que após acessar a plataforma Carolina Bori para pedir esta regulamentação, a solicitação acaba sendo negada, mesmo quando a formação veio de um local renomado, como Harvard e Columbia. Entende-se que as Universidades possuem cursos distintos em sua organização, mas nem sempre isso é levado em consideração e diplomas de grandes Universidades são negados diariamente.

Primeiramente é preciso explicar o que é esta ferramenta. É um sistema informatizado criado pelo Ministério da Educação (SESu e CAPES), que reúne Instituições de Ensino Superior (IES) Públicas e Privadas que oferecem as informações necessárias para que os estudantes possam solicitar a revalidação ou o reconhecimento dos seus diplomas estrangeiros.

Mas há situações em que pedidos encaminhados para universidades através desta plataforma do Ministério da Educação foram negados. Um estudante, por exemplo, que fez o mestrado em Direito na Universidade de Columbia (EUA) não obteve esse benefício. Importante lembrar que o ex-presidente dos Estados Unidos. Barack Obama, fez este mesmo curso sua formação. O que leva a crer que, se depender das academias brasileiras, este título dele não seria validado por aqui.

A Clark University foi fundada em 1887 como a primeira escola inteiramente dedicada ao ensino de pós-graduações, é uma das mais antigas e mais importantes universidades dos EUA, situada em Worcester, Massachusetts. Ela foi mais uma universidade onde o profissional teve o pedido de revalidação negado. Neste caso, a instituição brasileira alegou que a carga horária do curso era incompatível, e não conseguiu avaliar adequadamente a diferença entre o sistema de semestre/hora para o sistema brasileiro de horas/aula. Na análise, a reavaliadora entendeu que a universidade americana diplomou o profissional em nível de Graduação com 136,67 h/a, o que certamente não é verdade.

Alguns estudantes também enfrentaram dificuldades para reconhecer formações em algumas das principais universidades do mundo. Entre 2019 e 2020 a plataforma recebeu dois pedidos de reconhecimentos de dois diplomas obtidos em Harvard, uma das principais universidades do mundo. Um dos pedidos foi indeferido. Com relação à formação na Universidade Fernando Pessoa, uma das principais de Portugal, foram 44 diplomas encaminhados para a plataforma no período entre 2018 e 2020. Destes, 16 pedidos foram deferidos, enquanto 28 foram negados por instituições como Universidade Estadual de Londrina, Universidade Estadual de Santa Cruz, Universidade Federal de Goiás, e a Universidade Federal de Minas Gerais. O que causa estranheza e preocupação para alunos e estudantes que conquistaram estas titulações no exterior e não conseguem validá-los no Brasil.

  • Podemos confiar no MEC? Veja universidades famosas que não foram reconhecidas na plataforma Carolina Bori
  • Podemos confiar no MEC? Veja universidades famosas que não foram reconhecidas na plataforma Carolina Bori
  • Podemos confiar no MEC? Veja universidades famosas que não foram reconhecidas na plataforma Carolina Bori
  • Podemos confiar no MEC? Veja universidades famosas que não foram reconhecidas na plataforma Carolina Bori
  • Podemos confiar no MEC? Veja universidades famosas que não foram reconhecidas na plataforma Carolina Bori
  • Podemos confiar no MEC? Veja universidades famosas que não foram reconhecidas na plataforma Carolina Bori

Vinkmag ad

Isabel Almeida

A jornalista Isabel Almeida, trabalha atualmente na Embrapa, é editora do site bsbflash, youtuber do canal Flash Brasília e colunista do jornal Alô Brasília. Natural de Brasília, já trabalhou em diversos órgãos do DF, como na Secretaria de Educação; na Administração Regional do Gama; na Secretaria de Saúde, na Câmara Distrital, e também em GO, na prefeitura de Valparaíso, na gestão de José Valdécio. Atuou também no Conselho Federal de Engenharia e Agronomia- Confea, foi editora da revista Fala Prefeito; e colunista da revista AC/DF e colunista do site AIB News do Rio de Janeiro. Desde 2010 é vice-presidente da Câmara de Comércio Brasil e Portugal, e em 2016, foi nomeada presidente do Conselho comunitário do Octogonal e Sudoeste.

Read Previous

Sustentabilidade e inovação marcam a presença da Brasal Incorporações na CASACOR Brasília 2021

Leia a seguir

Último fim de semana da comédia “A Intimidade é uma Merda”

dezembro 3, 2021