As planícies dos Estados Unidos revelam paisagens impressionantes ao longo de seus limites mas, além de toda beleza, alguns lugares inóspitos como as serras, dentro das reservas Indígenas no Condado de Big Horn, nos convidam a voltar no tempo. A convite do meu amigo nativo da nação Crow (Corvo), Dai Two Leggins, conheci os limites dos parques Crow Lands com o famoso desfiladeiro do diabo, um enorme canyon com vista fascinante, habitat de diversas aves de rapina como falcões cinza e a famosa águia cabeça raspada americana.

 

Dezenas de nações indígenas ocupam o território das planícies americanas e se reúnem anualmente nas festas denominadas Pow How, onde os nativos americanos cantam e dançam ao som dos tambores, chocalhos e flautas. Durante as festas do Pow How, diversos quesitos são julgados tais como vestuário, passos simétricos, adereços, dança, harmonia e conjunto. Os jurados, geralmente nativos veteranos, são encarregados de avaliar os participantes para escolha do campeão na dança.

Conhecendo o local da Batalha de Bighorn
A Batalha de Little Bighorn aconteceu em 25 de junho de 1876, no ano do Centenário da Independência dos Estados Unidos, nas proximidades do rio Little Bighorn (afluente do Bighorn, por sua vez um afluente do Yellowstone), no estado de Montana. Isso aconteceu após o sétimo regimento de cavalaria do exército dos Estados Unidos do famoso General Custer com uma coligação de Cheyennes e de Sioux, unidos sob a influência dos também famosos líderes indígenas Touro Sentado (Sitting Bull) e Cavalo Louco (Crazy Horse).

 

A batalha foi o mais famoso incidente das guerras indígenas nos Estados Unidos e resultou na vitória dos Lakotas e dos Cheyennes do Norte, que aniquilaram um destacamento da cavalaria norte-americana, comandado pelo general Custer. Foi a maior derrota do exército americano durante as chamadas Guerras Indígenas.

 

 

 

O Little Bighorn possui um cemitério indígena e outro monumento para os soldados, e está situado numa reserva indígena. Conhecer este lugar me fez lembrar dos filmes western que assisti na infância, tudo tão familiar. Alguns lugares no mundo nos marcam de tal maneira que se torna impossível não guardar para sempre!

Artigo anteriorCeias de fim de ano
Próximo artigoFlash Brasília na homenagem à Letinha Brito
Avatar
A jornalista Isabel Almeida, trabalha atualmente na Embrapa, é editora do site bsbflash, youtuber do canal Flash Brasília e escreve em diversos sites como: colunista do jornal Alô Brasília. Natural de Brasília, já trabalhou em diversos órgãos do DF, como na Secretaria de Educação; na Administração Regional do Gama; na Secretaria de Saúde, na Câmara Distrital, e também em GO, na prefeitura de Valparaíso, na gestão de José Valdécio . Atuou também no Conselho Federal de Engenharia e Agronomia- Confea, foi editora da revista Fala Prefeito; e colunista da revista AC/DF e colunista do site AIB News do Rio de Janeiro. Desde 2010 é vice-presidente da Câmara de Comércio Brasil e Portugal,e em 2016, foi nomeada presidente do Conselho comunitário do Octogonal e Sudoeste.