Bastante utilizado na europa, EUA e Austrália, os implantes hormonais subcutâneos têm adquirido uma forte tendência  no Brasil. Para muitos profissionais médicos o método representa um avanço promissor no tratamento de reequilíbrio hormonal disponibilizando uma técnica que acompanha o metabolismo do organismo humano.

O implante hormonal subcutâneo tem uma combinação de hormônios ação/duração no corpo durante um período de seis meses. Pode ser utilizado tanto por homens como por mulheres dentro da necessidade de cada paciente e com a avaliação de um profissional especializado.  De acordo com a clínica geral Luciene Breda, o implante subcutâneo atua de forma contínua, liberando os hormônios em pequenas quantidades acompanhando a fisiologia corporal tanto feminina como masculina, minimizando efeitos adversos e dando ao corpo o equilíbrio necessário.

A interação dos hormônios existentes no implante traz inúmeros benefícios à saúde. Eles são capazes de favorecer o ganho de massa muscular, diminuir o percentual de gordura corporal e adquirir mais vigor (força/energia) para as práticas desportivas.

  • Em mulheres

Nas mais jovens, o implante ajuda a reduzir os desagradáveis sintomas da tensão pré-menstrual, a famosa TPM, aliviando tanto as dores como o sangramento e pode contribuir no controle do quadro da síndrome do ovário policístico. Já nas mulheres maduras, que estão no climatério ou mesmo no período pós-menopausa, o reequilíbrio hormonal ajudará no alívio das ondas de calor, a excessiva sudorese, secura vaginal, lapsos de memória, no sono, melhora a libido e as dores musculares e articulares.

  • Nos homens

A classe masculina pode ser imensamente beneficiada com a técnica hormonal. Para os que estão na andropausa, o implante subcutâneo melhora a saúde sexual e a capacidade erétil. Proporciona proteção prostática e cardiovascular, além de aumentar a energia                  (a vitalidade ),  o fortalecimento dos ossos e dos músculos, a performance esportiva e a sensação de bem-estar geral.

Contra Indicações

Não existe comprovação científica quanto a não utilização do método. Devendo nestes casos, ter cautela com fumantes, mulheres que fazem uso de anticoncepcional oral ou mesmo pacientes (sejam homens ou mulheres) que já utilizam algum tipo de hormônio ou medicamento que contenha esses hormônios em sua composição. Sendo necessário uma avaliação detalhada para que o profissional médico possa ter segurança em medicar. A especialista Luciene Breda ressalta que a aplicação do implante hormonal será sempre realizada acompanhado de uma história clínica individual, exames físicos e laboratoriais direcionados.
“É um método bastante proveitoso se usado com responsabilidade. Por este motivo todo e qualquer paciente que tiver interesse em se submeter a técnica precisa passar pela avaliação clínica. Somente após essas condutas o implante deverá ser realizado “, pontua a médica.

Artigo anteriorCantora Mila é a mais nova garota propaganda da marca Rhero Jeans
Próximo artigoMaria Amélia promove chá solidário
Avatar
A jornalista Isabel Almeida, trabalha atualmente na Embrapa, é editora do site bsbflash, youtuber do canal Flash Brasília e escreve em diversos sites como: colunista do jornal Alô Brasília. Natural de Brasília, já trabalhou em diversos órgãos do DF, como na Secretaria de Educação; na Administração Regional do Gama; na Secretaria de Saúde, na Câmara Distrital, e também em GO, na prefeitura de Valparaíso, na gestão de José Valdécio . Atuou também no Conselho Federal de Engenharia e Agronomia- Confea, foi editora da revista Fala Prefeito; e colunista da revista AC/DF e colunista do site AIB News do Rio de Janeiro. Desde 2010 é vice-presidente da Câmara de Comércio Brasil e Portugal,e em 2016, foi nomeada presidente do Conselho comunitário do Octogonal e Sudoeste.