Apesar da pandemia da Covid-19, que atingiu, em especial, a área cultural, o Música no Museu  da continuidade ao RioWindsFestival, este ano totalmente virtual. A 11ª edição, do maior festival de Sopros on-line do mundo, o XI Rio Winds Festival começa neste domingo, 1º de novembro.  O Festival, que tem como inspiração a Sociedade Internacional de Palhetas Duplas, vai reunir os principais instrumentistas do mundo incluindo flautistas, clarinetistas, saxofonistas. Músicos de sopros brasileiros e dos Estados Unidos, Inglaterra, Canadá, México, Alemanha, Noruega, Itália, Bélgica, Venezuela, Cuba, Uruguai serão destaque nesta versão virtual, e um dos destaques é o retorno do oboé italiano/suíço Omar Zoboli (foto) pela terceira vez no Brasil, mas agora de forma virtual. Considerado o ¨Paganini do oboé¨, a banda de sopros nova-iorquina Kammermusiker que percorreu o mundo com um repertório renascentista e a Jazztopia, da Alemanha, também são destaques. Haverá surpresas, como: os shows gravados em casa pelos oboístas Kevin Vigneau e família, no Novo México; William Wielgus, na Virgínia; Ian Davidson com filmes de todo o mundo; os fagotistas Scott Pool e Richard Meek, do Texas, e Amy Gillick, do Tennessee.

“Aprendi no Brasil, nação e cultura que me adotaram quando entrei para a Orquestra Sinfônica Brasileira, em 1973, como seu primeiro oboísta. Quando você não tem cão caça com gato. E se eu e o público do Música no Museu sentiremos falta de ouvir e encontrar virtuosos de todo o mundo pessoalmente, não podemos desistir e o uso de recursos on-line é o melhor”, diz o curador desta e das versões anteriores, o oboísta e compositor naturalizado brasileiro, Harold Emert. 

O evento vai até o dia 27 de novembro com transmissão pelas plataformas Cedro Rosa Youtube (https://www.youtube.com/channel/UC25sT7ofudoMWTDOx5T2DdQ), Facebook ( https://www.facebook.com/cedrorosadigital.com.br/ ), Twitter ( https://twitter.com/cedrodigital ), pelo site radiomusicanomuseu.com e pelas redes sociais do Música no Museu.