Bsb Flash

A pandemia e a sujeira invisível

Até o começo de 2020, quando a pandemia de Covid-19 começou a ter seus primeiros casos no mundo, a limpeza de um ambiente era medida com base na sujidade, que é a sujeira física, aquela que podemos ver. Mas, com um vírus perigoso circulando entre as pessoas, outro tipo de sujeira passou a chamar a atenção das pessoas comuns: a sujeira que não se vê.

Por causa dela, a rotina dos profissionais de limpeza mudou muito. A higienização, que é a prática adequada, antes era adotada como padrão principalmente em áreas críticas, como as hospitalares. Com a pandemia, esse tipo de protocolo passa a ser necessário em todos os ambientes, com maior frequência, à medida que entendemos que não basta que os espaços estejam limpos, eles precisam estar higienizados. Com base em testes que estudaram o tempo de duração do vírus em diferentes superfícies e na quantidade de pessoas que circulam pelos diferentes ambientes, foi possível começar a estabelecer protocolos de segurança sanitária para que essa higienização seja realizada. As pessoas também passaram a falar cada vez mais sobre a importância de se higienizar tudo aquilo com que se tem contato no dia a dia.

Mas o que é higienizar de verdade? A limpeza nada mais é que a retirada da sujidade, realizada com equipamentos adequados – que vão de mops a máquinas profissionais – e com produtos como o detergente e o limpa-vidros, por exemplo, capazes de retirar essa sujeira visível. Para higienizar, esses protocolos não bastam. É preciso, na sequência, desinfetar, ou seja, retirar não apenas a sujidade, mas também os micro-organismos presentes nos espaços. Aqui, também são utilizados equipamentos próprios que, muitas vezes, são os mesmos da limpeza. No entanto, o produto passa a ser o desinfetante. A higienização, então, é o resultado dos processos de limpeza e desinfecção somados.

Ao longo da história, os seres humanos associam a limpeza ao odor. Seguindo essa lógica, uma sala que está cheirosa está, automaticamente, limpa. Essa é uma visão equivocada da limpeza e uma das provas disso são os hospitais e outras unidades de saúde. Embora não tenham o famoso “cheiro de limpeza”, esses lugares são rigorosamente higienizados justamente para evitar a proliferação de micro-organismos causadores de doenças. Daí a importância da limpeza profissional neste momento de crise sanitária. Esta não é a primeira vez na história que a “sujeira invisível” compromete a saúde das pessoas. Há cerca de dez anos houve a “gripe suína” e, com ela, o ato de lavar as mãos ganhou atenção especial. Novamente, cá estamos, incentivando essa prática para evitar uma sujeira invisível que compromete a saúde física, mental, emocional, econômica e até política.

Profissionais de limpeza devidamente capacitados são fundamentais para determinar as melhores formas e a freqüência ideal para realizar a higienização e proteger a saúde de todos. Só eles saberão detalhes como proporção de diluição dos produtos, quanto tempo é necessário para que eles façam efeito, entre outras informações. Em um cenário pandêmico, mais que em qualquer outra perspectiva, a crença de que todos nascem sabendo limpar não funciona.

“É urgente que as pessoas compreendam que, assim como o departamento administrativo de uma empresa tem seus procedimentos, a limpeza profissional também os tem. E que passem a dar a esses profissionais o valor que eles realmente têm para a sociedade, construindo uma cultura de colaboração para que a higiefnização realizada pelos profissionais de limpeza dure por mais tempo e, principalmente, entendendo que a saúde é uma responsabilidade de todos e que lavar as mãos com frequência, utilizar álcool em gel e utilizar uma máscara limpa em ambientes coletivos podem salvar vidas.”

*Cássia Almeida é superintendente executiva da Fundação de Asseio e Conservação, Serviços Especializados e Facilities (Facop).

Compartilhe

Share on facebook
Facebook
Share on twitter
Twitter
Share on pinterest
Pinterest
Share on linkedin
LinkedIn

Atualizações Recentes

Revitalização do Rio de Janeiro é tema de Webinar pela EMERJ

O Fórum Permanente de Direito da Cidade da Escola de Magistratura do Estado do Rio de Janeiro (EMERJ) promoverá nesta sexta (dia 30 de julho),

Ana Tereza Basílio

Captação de Clientes Pós-Pandemia

Luciano Bandeira, presidente da OAB-RJ, Ana Tereza Basílio, vice-presidente da entidade, Marcus Soares, presidente da OAB da Barra da Tijuca, Claudete Capelle do Vale, presidente

Luize Valente | Live sobre o Judaísmo

Live sobre o Judaísmo

A escritora e jornalista Luize Valente faz live, nesta segunda (dia 26 de julho), às 21hs, pela Plataforma Zoom, sobre o Judaísmo Nosso de Cada

No mês dos avós, o cardiologista dá dicas para conseguir a longevidade

No mês dos avós, o cardiologista dá dicas para conseguir a longevidade

Profissional do ICTCOr alerta para os cuidados com o envelhecimento cardiovascular No Brasil, segundo o Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE), mais de 29

%d blogueiros gostam disto: