Especialista brasiliense explica sobre o tratamento e fala sobre as consequências da insônia na qualidade de vida  
Quem já passou uma ou algumas noites sem dormir sabe o quanto um sono prejudicado atrapalha o rendimento no dia seguinte. Uma noite mal dormida pode tirar a energia e atrapalhar bastante o humor. Para evitar as consequências dos dias e das noites sem dormir, a grande parte da população recorre ao medicamento como primeiro e único recurso. “Mas não precisa e nem deve ser assim” diz a psicóloga e especialista em sono, Danuska Tokarski.
Em 2016, após avaliação de um comitê de médicos e cientistas do sono sob os aspectos da eficácia e da segurança da Terapia Cognitivo Comportamental para a Insônia (TTC-i) em comparação com os remédios para dormir, foi publicado no Annals os Internal Medicine a conclusão de que o método deve ser utilizado como o tratamento de primeira linha para todos os indivíduos com insônia crônica e não a medicação.

De acordo com psicóloga, a TTC-i específica para a insônia ajuda as pessoas a adormecerem mais rapidamente, dormirem por mais tempo e obter uma qualidade de sono superior ao reduzir o tempo que passam acordadas a noite. E o mais importante, os benefícios persistem mesmo após o término do tratamento que dura entre 6 e 12 sessões. Já os comprimidos para dormir podem parecer uma solução para as noites mal dormidas, mas costumam perder a eficácia com o passar do tempo, além de apresentarem efeitos colaterais.

A Terapia Cognitivo Comportamental para a Insônia ainda é pouco difundida entre a população. No Brasil existem poucos profissionais especialistas em sono habilitados para conduzirem a TTC-i. Em todo o Brasil apenas 26 psicólogas, incluindo a Danuska Tokarski, possuem a certificação emitida pela Sociedade Brasileira do Sono. Por isso esse tratamento tão eficaz ainda é tão pouco difundido entre a população.

Mas o que é a insônia?

A insônia é caracterizada pela dificuldade em iniciar o sono, por despertares ao longo da noite ou por despertar muito cedo. Na grande maioria dos casos ela está associada a um fator estressante desencadeador das noites mal dormidas e por um quadro de ansiedade que pode potencializar ainda mais o problema. As principais consequências da falta de sono gerado pela insônia são: cansaço e fadiga excessivos, mal humor, dificuldade em manter a atenção e concentração, ansiedade e depressão, absenteísmo, além de aumentar o risco de acidentes domésticos e de trânsito e ainda reduz a imunidade.

A TCC-i consiste em uma série de técnicas personalizadas que ajudam o paciente a reconhecer e alterar hábitos inadequados de sono juntamente com orientações para a redução da ansiedade. “Por exemplo, o uso do diário do sono que ajuda o paciente a ter mais consciência sobre seus hábitos e rotinas. Com os registros os pacientes conseguem acompanhar a evolução ao longo das sessões e se sentem mais auto-confiantes, eles relatam grandes benefícios com o uso das técnicas da TTC-i”, explica Danuska Tokarski.

Em todo o mundo, as pesquisas têm demonstrado que a TCC-i possibilita um sono reparador e saudável, podendo ser realizada individual, em grupo e inclusive via internet.

Artigo anteriorSarah homenageia Beth Carvalho em show
Próximo artigoUma pausa para descobrir os segredos da Vindima Uruguaia
Avatar
A jornalista Isabel Almeida, trabalha atualmente na Embrapa, é editora do site bsbflash, youtuber do canal Flash Brasília e escreve em diversos sites como: colunista do jornal Alô Brasília. Natural de Brasília, já trabalhou em diversos órgãos do DF, como na Secretaria de Educação; na Administração Regional do Gama; na Secretaria de Saúde, na Câmara Distrital, e também em GO, na prefeitura de Valparaíso, na gestão de José Valdécio . Atuou também no Conselho Federal de Engenharia e Agronomia- Confea, foi editora da revista Fala Prefeito; e colunista da revista AC/DF e colunista do site AIB News do Rio de Janeiro. Desde 2010 é vice-presidente da Câmara de Comércio Brasil e Portugal,e em 2016, foi nomeada presidente do Conselho comunitário do Octogonal e Sudoeste.