concurso da PRF

Para o certame, são esperadas a abertura de pelo menos 2000 vagas

A carreira policial é um sonho de muitos estudantes que estão se preparando para conquistar uma vaga em cargos públicos. A boa notícia é que o panorama para essa área é muito favorável.

A Polícia Rodoviária Federal segue na expectativa de abrir um novo edital. De acordo com o diretor executivo da PRF, José Lopes Hott, caso o edital seja publicado até fevereiro, é possível que as provas ainda sejam aplicadas até junho. O diretor relembrou que o prazo estimado é de quatro meses. Mas, é claro, todas essas estimativas dependerão da autorização. Os salários oferecidos pela PRF chegam a R$10.357,88 para nível superior e R$4.022,77 para nível médio.

Vale ressaltar que a PRF é considerada como Carreira Típica de Estado, ou seja, se enquadraria no rol de carreiras estáveis proposta pela nova Reforma Administrativa.

Diante de toda essa perspectiva, os professores do IMP Concursos Fernando Cocito, professor e coordenador dos cursos de carreiras policiais, e Jayme Amorim, professor de Legislações Correlatas e especialista em Legislação de Trânsito, dão dicas de como se preparar para o tão aguardado certame.

Qual a melhor estratégia para iniciar o estudo?

Todo candidato que deseja ingressar em uma carreira policial, deve se preparar com antecedência, em razão da grande concorrência que existe para esses cargos. No geral, os alunos de carreiras policiais temem o raciocínio lógico-matemático, a informática e a física, por isso seria interessante se dedicar a essas matérias no estudo pré-edital.

Entretanto o concurso da PRF além do conteúdo comum para as carreiras policiais, exige um estudo específico que envolve a Legislação de Trânsito, conteúdo esse, que geralmente tem um peso maior nesse certame.

Quais as disciplinas podem ser cobradas no edital e fazer a diferença na aprovação?

O conteúdo da Legislação de Trânsito, no qual compreende o Código de Trânsito Brasileiro, bem como as Resoluções do CONTRAN, tem sido conteúdos determinantes nos últimos concursos da PRF

E também, a análise dos julgados do STF e STJ com relação à Lei de Drogas e Estatuto do Desarmamento pode fazer a diferença. Também merece especial atenção a Nova Lei de Abuso de Autoridade.

Acredita que o edital será parecido com o do último concurso da PRF em 2018??

Geralmente os concursos da PRF tem mantido o edital semelhante, isso ocorre em razão da especificidade do cargo de policial rodoviário federal, que exige um conhecimento tanto na área de trânsito, como na área de segurança pública. Ressaltando, a inclusão da Nova Lei de Abuso de Autoridade.

Quais as atribuições de um policial rodoviário federal?

Segundo o edital PRF 2018, o Policial Rodoviário Federal deve realizar atividades de natureza policial envolvendo fiscalização, patrulhamento e policiamento ostensivo, atendimento e socorro às vítimas de acidentes rodoviários e demais atribuições relacionadas com a área operacional relacionadas à corporação. O Policial Rodoviário Federal também atua nas rodovias e estradas federais a fim de evitar crimes de trânsito e infrações previstas no Código de Trânsito Brasileiro, com o objetivo de preservar vidas e garantir o direito ao trânsito seguro.

Artigo anteriorDermatologista fala sobre cuidados com a pele no verão
Próximo artigoThays Jubé marca presença em evento de celebridades Nacionais
Avatar
A jornalista Isabel Almeida, trabalha atualmente na Embrapa, é editora do site bsbflash, youtuber do canal Flash Brasília e escreve em diversos sites como: colunista do jornal Alô Brasília. Natural de Brasília, já trabalhou em diversos órgãos do DF, como na Secretaria de Educação; na Administração Regional do Gama; na Secretaria de Saúde, na Câmara Distrital, e também em GO, na prefeitura de Valparaíso, na gestão de José Valdécio . Atuou também no Conselho Federal de Engenharia e Agronomia- Confea, foi editora da revista Fala Prefeito; e colunista da revista AC/DF e colunista do site AIB News do Rio de Janeiro. Desde 2010 é vice-presidente da Câmara de Comércio Brasil e Portugal,e em 2016, foi nomeada presidente do Conselho comunitário do Octogonal e Sudoeste.