O talento para cativar pessoas sempre foi um coeficiente presente na vida e na personalidade de Michelle Pandora. Inclusive, a característica de saber ganhar a atenção e conquistar a credibilidade a fizeram por anos, ser uma mulher bem sucessivas no ramo de vendas.
Revendedora e posteriormente diretora de vendas de uma das maiores empresas de cosméticos a nível mundial, ela deu seus primeiros passos na vida pública quando ainda vendia produtos de beleza. “Eu comecei a crescer muito dentro da marca, vendia bastante. Mas, eu vivia um relacionamento muito abusivo psicologicamente falando e ele acabou me fazendo sair da empresa”, conta.Triste por ter que deixar a marca, mas sem querer abandonar o papel de orientadora de vendas, ela começou a falar sobre os produtos por meio das redes sociais. Por receber os lançamentos antes que outras revendedoras, ela fazia reviews – como usar, quais os benefícios – que ajudavam as mulheres a vender.
“Eu não tinha intenção de ser blogueira, famosa, meu intuito era mesmo ajudar as meninas do interior a ganhar o próprio dinheiro, mas eu comecei a ganhar muitos seguidores e a fazer com que minhas meninas vendessem muito mais. Com o tempo, acabei parando de fazer esses vídeos, novamente por conta do ex marido, e até mesmo a empresa me procurou porque as vendas começaram a cair sem o trabalho que eu fazia”, explica Pandora.
Influenciadora
Com o passar dos anos, Michelle se separou. E foi nessa fase que buscou se reinventar e se encontrar. Fez curso de automaquiagem, cantava em bares, começou a revender cosméticos novamente, mas ainda não havia descoberto o seu lugar. Até que um amigo do blog Um Conceito , a convidou para um evento da influenciadora Alice Salazar, a fim de incentivá-la a seguir carreira no Youtube.
Apesar de não estar tão empolgada, Pandora foi, mas pensando em vender. “Eu estava a fim de conhecer pessoas, vender meu produto, mas a verdade é que naquele dia eu não vendi um batom. Ao contrário, percebi que o que Alice fazia eu também poderia fazer”, relembra.
Assim, ela começou a se empenhar a criar um blog, que na verdade nunca saiu do papel. Desse projeto, restou apenas o nome Michelle Pandora, inspirado na cidade da mitologia grega. “O blog acabou nunca existindo, mas eu comecei a ir em eventos, conhecer pessoas e a TV acabou me vendo, pois mesmo sem efetivamente produzir conteúdo de blog, eu ainda causava muito burburinho na internet”.
Apresentadora
Entre os contatos e contatos, ela acabou conhecendo o Stanley Gusman que a convidou para mostrar seu talento nas telinhas. “Só que para entrar na TV era caro, e eu não tinha como pagar aquilo”, conta.
Assim, ela buscou a união entre influenciadores de sua cidade, onde conseguiu juntar o dinheiro e entrar no ar em parceria.  “Eu tinha que chegar lá as 10 horas da manhã, mas eu chegava às 6 horas, queria estar perto dos repórteres, ver como faziam”.
A sede por aprender aos poucos a levou a fazer reportagens e a conquistar espaço na emissora. “As pessoas começaram a se interessar na minha imagem, e tudo eles me colocavam para fazer, principalmente merchan, que era no que eu me destacava”.

A saída da filial do SBT veio apenas quando Pandora recebeu a proposta de comandar um programa próprio na Band, onde trabalhou por 2 anos e recebeu dois prêmios pela Revista Caras — Prêmio Mentes e Mãos que Brilham, pelo destaque cultural do programa não apenas em Minas Gerais, como também no Brasil e exterior, e o Prêmio Mulheres da Década, que também homenageou grandes artistas como Renata Banhares e Luiza Brunet.

No final do ano, Pandora anunciou sua saída da emissora Band Minas. “Fui muito feliz lá, agora é hora de alçar voos mais altos, em breve muitas novidades minhas no horário nobre da televisão”, garante.
Artigo anteriorAs cores estão na cozinha também
Próximo artigoBloco do Cerrado traz programação recheada de atrações
Avatar
A jornalista Isabel Almeida, trabalha atualmente na Embrapa, é editora do site bsbflash, youtuber do canal Flash Brasília e escreve em diversos sites como: colunista do jornal Alô Brasília. Natural de Brasília, já trabalhou em diversos órgãos do DF, como na Secretaria de Educação; na Administração Regional do Gama; na Secretaria de Saúde, na Câmara Distrital, e também em GO, na prefeitura de Valparaíso, na gestão de José Valdécio . Atuou também no Conselho Federal de Engenharia e Agronomia- Confea, foi editora da revista Fala Prefeito; e colunista da revista AC/DF e colunista do site AIB News do Rio de Janeiro. Desde 2010 é vice-presidente da Câmara de Comércio Brasil e Portugal,e em 2016, foi nomeada presidente do Conselho comunitário do Octogonal e Sudoeste.