Espetáculo teatral on-´line (In) Cômodos – A Mulher da Ponte chega para falar de amor e resistência em tempos de pandemia

Monólogo foi gravado dentro de casa e contou com equipe de 10 artistas que tentaram resistir ao ano de 2020 de forma independente.

“Terra sem lei, perda de irmão, porte de armas, vidas se vão…”, a música Do Nono Andar, de Cecy Wenceslau e Magno Myller, retrata uma triste realidade. Triste, porém verídica. Uma realidade de intolerância, seja ela religiosa, de gênero, cor, classe social, dentre tantas outras.

Do Nono Andar se soma a trilha original do compositor Caio César Costa para dar vida ao espetáculo (In) Cômodos – A Mulher da Ponte. A peça que fala de todos estes temas será apresentada nos dias 13 e 14 de novembro, sexta e sábado, às 20h30, no canal do YouTube do artista Piettro: https://www.youtube.com/Piettro. Gratuito. Não recomendado para menores de 14 anos.

E quem quiser ajudar os 10 artistas envolvidos que, devido ao ano de pandemia e teatros com portas fechadas tiveram que se virar de forma independente, pode contribuir, com qualquer valor, no link: https://www.vakinha.com.br/vaquinha/ajuda-para-equipe-do-espetaculo-in-comodos-a-mulher-da-ponte.

Banhada em uma série de casos de intolerância, casos de assassinatos como o de Marielle Franco, dentre tantos outros, a peça é um monólogo de 45 minutos que conta a história de uma mulher, uma prostituta que frequenta uma ponte – que pode ser qualquer ponte do mundo- para ganhar um dinheiro mínimo para sua sobrevivência e da sua parceira de vida: a cadelinha Bina. Baseada na obra literária Aqueles Livros Não Me Iludem Mais, do premiado autor pernambucano Cícero Belmar, a produção dirigida por Ernandes Silva e com atuação da atriz Clara Camarano fala de amor e da triste realidade desta mulher. Uma mulher que se reflete em tantas outras e que, ao mesmo tempo, reflete tantas outras.

“Ela é uma mulher que faz aquilo para ganhar a vida. Mas, não ficamos apenas na história dessa mulher. Ela é uma mulher solitária e que se indigna com tantos casos de preconceitos. Sejam eles religiosos, de gênero, orientação sexual”, adianta o diretor Ernandes Silva.

Mediante estes questionamentos e a essa explosão universal da intolerância humana, em todos seus aspectos manifestados no racismo, na homofobia, xenofobia, etnocentrismo, no feminicídio exacerbado, no preconceito religioso e nos maus-tratos e exclusão dos portadores de deficiência, que nasce este espetáculo que deixa um questionamento que incomoda. Aliás, a ideia é, de fato, provocar.

“Afinal, é mediante o incômodo que poderemos refletir. E, que tal, aproveitarmos a quarentena para refletir? Ilhados e em contato com o nosso eu e o do outrém, que não é igual ao seu eu, poderemos abrir uma discussão, um debate. Até onde a sua liberdade invade a minha e vice-versa?”, questiona o diretor.

E para falar destas tantas intolerâncias, de mortes e, acima de tudo, deixar uma mensagem de amor, o monólogo começou a ser ensaiado em abril de 2020. Em reuniões virtuais, Ernandes Silva e a atriz Clara Camarano conseguiram alinhar esta proposta que também conta com um cenário forte assinado por Silva.

“Estamos em um momento muito difícil. E não é de agora. Quantos casos de preconceitos, de ódio, de mortes vemos no Brasil, no mundo. Ataques a transexuais, travestis, casos de feminicídio, de intolerância religiosa, dentre tantos. Queremos aproveitar à pandemia que, em si, já tornou às relações ainda mais complexas para falarmos de amor e resistência”, declara Ernandes.

Sobre (In) Cômodos – A Mulher da Ponte

(In) Cômodos – A Mulher da Ponte é um espetáculo teatral que foi gravado em um quarto durante à pandemia. Quarto este que, em si, já reflete a solidão e uma falsa autoestima desta mulher da ponte. Afinal, essa falsa autoestima é o único escudo que a protagonista tem como usar. “Foi desafiador ensaiar dentro de casa. Os vizinhos, inclusive, se envolveram. Mas, me sinto grata por promover e fazer arte neste ano de caos. E é com muito orgulho que vamos apresentar essa obra que chega para promover à reflexão. Fico ainda feliz de contarmos com tantas pessoas, artistas que se envolveram sem exigir nada em troca. Um deles é o Piettro, um exemplo de músico e ator de reconhecimento nacional que topou nos ajudar”, pontua a atriz Clara Camarano.

No intuito de levantar à bandeira da acessibilidade, o monólogo contará com legendas em português realizadas pela editora Natália Leite e tradução em libras pela atriz Tatiana Elizabeth.

“Todos nos unimos de forma independente, para promover arte e de sua função: a de sempre deixar uma mensagem”, explica Silva.

Conheça a equipe:

Ernandes Silva – diretor, produtor e cenógrafo

Clara Camarano – Atriz

Caio César Costa – Compositor

Cecy Wenceslau e Magno Myller – Dupla de músicos que assina canção original Do Nono Andar

Natália Leite – Editora/legenda

Tati Elizabeth – Tradução em libras

Adriano Bezerra – Cinegrafista/editor

Cícero Belmar – Autor

Fernanda Resende – Fotografia

Piettro – Incentivador cultural e artista/músico

Serviço: Espetáculo (In) Cômodos – A Mulher da Ponte estreia no formato on-line

Datas: 13 e 14 de novembro, sexta e sábado

Horário: 20h30

Local: Canal no YouTube do artista Piettro: https://www.youtube.com/Piettro.

Gratuito.

Não recomendado para menores de 14 anos

Contribua com o espetáculo em: https://www.vakinha.com.br/vaquinha/ajuda-para-equipe-do-espetaculo-in-comodos-a-mulher-da-ponte.

Informações: Instagram: @espetaculo_incomodos e @ernandes_ator