Interview with Victoria Dementieva-Editora da Report News Agency em Baku(Azerbaijão)

As an Azerbaijani Citizen, whats your feeling now after your country got the occupied lands back?

It was the dream of all Azerbaijani people to return our lands. For almost 30 years our lands were under occupation, as a result of that conflict, about 1 million Azerbaijanis became refugees and internally displaced persons.​

Throughout September and October, everyone in Azerbaijan was daily waiting for news about new settlements were liberated from the Armenian occupation. And the day when our president announced the liberation of Shusha was greeted by all the people with jubilation. All people crowded the streets of cities and celebrating and congratulating each other. This war and victory brought people together. The whole cities was hung with flags.​

It is difficult to describe the feeling of joy and pride that overwhelmed us that day. After all, a 30-year dream has come true, and historical justice has been restored.

Even during the war, many citizens hung the flag of Azerbaijan on the windows as a sign of support for our army.

Whats the importante of the City of Susha for Azerbaijani culture and history?

The liberation of Shusha has undoubtedly become a historical, very important event. This city lives in the heart of every Azerbaijani. The city of Shusha is called “the pearl of Azerbaijan”, “the conservatory of the Caucasus”. This ancient and most important city of the Karabakh Khanate in the 18th-19th centuries, which played the role of a major cultural and political center, which became the birthplace of genius poets, great singers and composers, was seriously damaged in 1992 during the war . The Armenians destroyed the monuments of the cultural heritage of Azerbaijan located here. And now the process of their restoration lies ahead.

Also the liberation of Shusha was the most important task of the Azerbaijani army during the war. The liberation of Shusha was of strategic importance for Azerbaijan, the Azerbaijani people and, in fact, predetermined the entire outcome of the war. As political analysts noted, Shusha is the key to Karabakh.

Do you know anyone that come from one of these occupied cities and had to change their lives because of the occupation?

Many of my friends and work colleagues are internally displaced persons from ​ occupied areas that now was allready liberated. From Fuzuli, Zangilan, Jebrail, Aghdam, Shusha. Of course, the conflict affected them, when their families were forced to leave their homes because of the Armenian aggression. It turns out that they have lived most of their lives far away from their home, built their lives here, but still they retained very fond memories of their childhood in their hometown or village. You should have seen how they rejoiced with tears in their eyes when our president announced the liberation of their area. And we were all sincerely happy with our colleagues.

Tradução em Português:

Victoria Dementieva é editora da Report News Agency em Baku, no Azerbaijão
Como cidadã do Azerbaijão, o que você sente agora, depois que seu país recuperou as terras ocupadas?

Era o sonho de todo o povo azerbaijanes ver a devolução de  nossas terras. Por quase 30 anos nossas terras estiveram sob ocupação, como resultado desse conflito, cerca de 1 milhão de azerbaijaneses tornaram-se refugiados e pessoas foram  deslocadas internamente.
Ao longo de setembro e outubro, todos no Azerbaijão esperavam diariamente por notícias de que novos assentamentos foram libertados da ocupação armênia. E o dia em que nosso presidente anunciou a libertação de Shusha foi saudado por todo o povo com júbilo. Todas as pessoas lotaram as ruas das cidades celebrando e se parabenizando. Esta guerra e vitória uniram as pessoas. As cidades inteiras estavam cheias de bandeiras, é difícil descrever o sentimento de alegria e orgulho que nos dominou naquele dia. Afinal, um sonho de 30 anos se tornou realidade e a justiça histórica foi restaurada.
Mesmo durante a guerra, muitos cidadãos penduraram a bandeira do Azerbaijão nas janelas em sinal de apoio ao nosso exército.
 
Qual a importância da cidade de Susha para a cultura e história do Azerbaijão?

 A libertação de Shusha sem dúvida se tornou um evento histórico muito importante. Esta cidade vive no coração de cada azerbaijanês. A cidade de Shusha é chamada de "a pérola do Azerbaijão", "o conservatório do Cáucaso". Esta antiga e mais importante cidade de Karabakh  nos séculos 18-19, que desempenhou o papel de um importante centro cultural e político, que se tornou o local de nascimento de poetas geniais, grandes cantores e compositores, foi seriamente danificada em 1992 durante a guerra . Os armênios destruíram os monumentos do patrimônio cultural do Azerbaijão localizados aqui. E agora o processo de restauração está à frente.  Além disso, a libertação de Shusha foi a tarefa mais importante do exército do Azerbaijão durante a guerra. A libertação de Shusha foi de importância estratégica para o Azerbaijão, o povo azerbaijanês e, de fato, predeterminou todo o resultado da guerra. Como observaram analistas políticos, Shusha é a chave para Karabakh.

Você conhece alguém que veio de uma dessas cidades ocupadas e teve que mudar de vida por causa da ocupação? 

Muitos dos meus amigos e colegas de trabalho são deslocados internos de áreas ocupadas que agora já foram libertadas. De Fuzuli, Zangilan, Jebrail, Aghdam, Shusha. Claro, o conflito os afetou, quando suas famílias foram forçadas a deixar suas casas por causa da agressão armênia. Acontece que eles viveram a maior parte de suas vidas longe de suas casas, construíram suas vidas aqui( Baku), mas ainda assim guardaram boas lembranças de sua infância em sua cidade natal ou vila. Você deveria ter visto como eles se alegraram com lágrimas nos olhos quando nosso presidente anunciou a libertação de sua área. E ficamos todos sinceramente felizes por  nossos colegas.

Fonte: brasiliainfoco.com

Vinkmag ad

Redação

Read Previous

DJ Mystical diz que o caso do DJ Ivis prejudicou imagem da classe

Leia a seguir

“Arraiá do Axé” chega sua décimo terceiro edição com convidados especiais

setembro 23, 2021