O ministério da Ciência, Tecnologia e Inovações, representada pelo ministro Marcos Cesar Pontes, e a Instituição Smithsonian, representada pelo subsecretário interino para Ciência e Pesquisa, Roger Brissenden, assinaram um Memorando de Entendimento (MOU) nesta quarta-feira, 25 de novembro de 2020. A assinatura virtual ressaltou os esforços compartilhados pelas duas instituições para o avanço da pesquisa científica e educação no Brasil. O MOU reafirma também a parceria de longa data e se baseia no MOU, assinado em 1984, entre o MCTI e a Instituição Smithsonian.

“Esse MOU em pesquisa científica e educação vai melhorar a qualidade do ensino, trazendo conceitos de ponta na área de STEM e ferramentas atualizadas para as salas de aula brasileiras. Estamos felizes em ver a cooperação entre as duas instituições para preservar a cultura e o patrimônio do Brasil. Vamos garantir que possamos contar as histórias de nosso passado enquanto criamos uma visão ousada para nosso futuro”, disse o embaixador Todd Chapman.

“Esta colaboração internacional ajudará a fortalecer nossos esforços dedicados para o avanço da pesquisa e educação científica para a próxima geração. Tenho certeza que essa parceria fortalecerá as ações brasileiras na atração de jovens talentos para as carreiras em ciência e tecnologia. Além disso, temos certeza de que os museus do MCTI, o Museu de Astronomia e Ciências Afins e o Museu Emílio Goeldi e o Instituto Smithsonian poderão estabelecer novos projetos conjuntos de pesquisa e educação.”, destacou o ministro Marcos Pontes.

“A assinatura de hoje reúne o Smithsonian com nossos parceiros brasileiros para reforçar nosso compromisso compartilhado com o intercâmbio científico e cultural”, disse Roger Brissenden, subsecretário em exercício para Ciência e Pesquisa do Smithsonian.

Por meio do MOU, vamos identificar oportunidades para a formação de jovens em ciência, tecnologia, engenharia e matemática (STEM) no Brasil, incluindo liderança e desenvolvimento profissional de professores, utilizando currículo e recursos do Smithsonian; compartilhar experiências e expertises em torno da preservação, gestão e promoção do patrimônio cultural, modelos de administração e financiamento de museus e programas de incentivo comunitário e educação utilizando coleções de museus; realizar intercâmbios e capacitação profissional para a conservação e restauração do patrimônio cultural; facilitar a cooperação e colaboração de pesquisa técnica e científica entre o Smithsonian e instituições sob a administração do MCTI, incluindo o Instituto Nacional da Mata Atlântica (INMA), Instituto Nacional de Pesquisas da Amazônia (INPA) e Museu Paraense Emílio Goeldi (MPEG); e  apoiar a cooperação entre o Smithsonian e instituições e entidades governamentais brasileiras em áreas relacionadas à pesquisa científica, coleções, conservação e apoio à biodiversidade, preservação de espécies, educação científica, arte e cultura, preservação e sustentabilidade cultural, exploração da história comum, intercâmbios científicos e profissionais e coleta e digitalização de coleções e arquivos compartilhados.

Artigo anteriorPacientes soropositivos têm mais risco de desenvolver doenças cardíacas
Próximo artigoCena Contemporânea comemora 25 anos em estado teatral híbrido
Avatar
A jornalista Isabel Almeida, trabalha atualmente na Embrapa, é editora do site bsbflash, youtuber do canal Flash Brasília e escreve em diversos sites como: colunista do jornal Alô Brasília. Natural de Brasília, já trabalhou em diversos órgãos do DF, como na Secretaria de Educação; na Administração Regional do Gama; na Secretaria de Saúde, na Câmara Distrital, e também em GO, na prefeitura de Valparaíso, na gestão de José Valdécio . Atuou também no Conselho Federal de Engenharia e Agronomia- Confea, foi editora da revista Fala Prefeito; e colunista da revista AC/DF e colunista do site AIB News do Rio de Janeiro. Desde 2010 é vice-presidente da Câmara de Comércio Brasil e Portugal,e em 2016, foi nomeada presidente do Conselho comunitário do Octogonal e Sudoeste.