Para o advogado Paulo Lins e Silva – que integra uma das diretorias do Instituto Brasileiro do Direito da Família ( IBDFAM)- , a Lei Maria da Penha, que em 2020 completa 14 anos, “é um marco civilizatório em busca de relações humanas equilibradas e justas “.
” Na Lei Maria da Penha, acertadamente, conseguiu-se criar um fator indenizatório devido ao comprovado agressor, para que possa, além da sanção penal, ser também passível de indenizar materialmente a agredida.”
É importante que se diga que todo crime deve ser punido exemplarmente”- afirma.
No entanto, diz o advogado, ” não se busca uma punição às inúmeras fraudes que estamos presenciando no dia a dia, quando ilicitamente se utiliza dessa lei para se buscar vantagens, como a de se afastar um namorado, companheiro ou mesmo marido de imóvel de propriedade exclusiva deste ou buscar outras vantagens materiais. Fala-se das consequências da “denunciação caluniosa”, alerta Paulo Lins e Silva.
Sancionada em 7 de agosto de 2006, a Lei Maria da Penha leva o nome em homenagem à biofarmaceutica cearense Maria da Penha Fernandes, que ficou paraplégica depois de ter sofrido várias tentativas de homicídio por parte do marido. Ela foi agredida por ele durante seis anos e só resolveu denunciar quando já estava na cadeira de rodas.
A Lei Maria da Penha será tema de vários seminários e encontros promovidos por juristas e advogados especializados em Direito de Família, em 2020.
Na foto, Paulo Lins e Silva, em recente congresso promovido pela Associação Internacional de Juristas do Direito da Família, na Corte Suprema do Chile.

Artigo anteriorBla’s lança festival La Playa
Próximo artigoThiago Veras, presidente do PDT Diversidade, pede reabertura setor de tratamento
Avatar
A jornalista Isabel Almeida, trabalha atualmente na Embrapa, é editora do site bsbflash, youtuber do canal Flash Brasília e escreve em diversos sites como: colunista do jornal Alô Brasília. Natural de Brasília, já trabalhou em diversos órgãos do DF, como na Secretaria de Educação; na Administração Regional do Gama; na Secretaria de Saúde, na Câmara Distrital, e também em GO, na prefeitura de Valparaíso, na gestão de José Valdécio . Atuou também no Conselho Federal de Engenharia e Agronomia- Confea, foi editora da revista Fala Prefeito; e colunista da revista AC/DF e colunista do site AIB News do Rio de Janeiro. Desde 2010 é vice-presidente da Câmara de Comércio Brasil e Portugal,e em 2016, foi nomeada presidente do Conselho comunitário do Octogonal e Sudoeste.