Ana Costa e Áurea Martins apresentam-se no dia 29 de janeiro, no Imperator, cantando sucessos do baluarte mangueirense

Desde 2015 ocupando uma quarta-feira por mês o Centro Cultural João Nogueira – Imperator, o projeto Quartas Brasileiras abre a temporada 2020 com as cantoras Ana Costa e Áurea Martins no espetáculo “Um tributo a Jamelão”. Com o repertório recheado de sucessos do inesquecível intérprete, o show é no dia 29 de janeiro, às 16h.

A ideia do espetáculo foi de Áurea Martins, que, recentemente, sonhou com Jamelão e resolveu fazer um show em homenagem ao rei do samba-canção. Convidou, então, Ana Costa, com quem, havia muito tempo, tinha vontade de dividir o palco. Ana, que também já cantou em orquestras, aceitou de imediato o convite. Juntas prepararam um show com repertório baseado nas canções imortalizadas por Jamelão. Combinando a vivência de cada uma, Áurea vai cantar a canção, e Ana, o samba.

No repertório, estão belos clássicos do cancioneiro de Jamelão, que nasceu José Bispo Clementino de Jesus e morreu em 2008. No repertório, sucessos como “Folha morta”, “Matriz ou filial”, “Ela disse-me assim”, “Cadeira vazia”, “Maria Rosa”, “Loucura” e “Esses moços”. Além de dois sambas eternizados na voz do Jamelão que homenageiam sua escola de coração: “Hino de exaltação à Mangueira” e “Piano na Mangueira”.

Áurea Martins e Ana Costa apresentam-se acompanhadas de um trio formado pelo pianista Itamar Assiere, pelo baixista Ivan Machado e pelo baterista Diego Zangado. Assiere assina também a direção musical e os arranjos que dão ao show um nobre e moderno resultado para canções tão clássicas. E assim as cantoras transportam a plateia para o clima das casas noturnas de música e jazz e para as grandes gafieiras – templos da música dançante das noites boêmias cariocas.

“Em linhas gerais, o samba-canção faz uma releitura mais elaborada na melodia – enfatizando-a – e possui um andamento moderado, o mais lento dentro das vertentes do moderno samba urbano, centrado em temáticas de amor, solidão e na chamada dor de cotovelo”, explica Áurea.

O público do Quartas Brasileiras é fiel e costuma lotar o emblemático Imperator, hoje Centro Cultural João Nogueira. Isso porque a região do Méier tem poucas opções de lazer, especialmente espetáculos musicais. Mas moradores e frequentadores do bairro são muito ligados à cultura e à arte. Ana Costa se identifica com o Méier: “vivi num Internato de freiras ali mesmo chamado São Pedro de Alcântara, que  não sei se ainda existe. Passei dois anos da minha infância ali porque minha mãe não podia ficar comigo o tempo inteiro”.

Clássicos brasileiros cantados por duas das grandes intérpretes brasileiras, uma com mais de 40 anos cantando na noite carioca e outra com anos cantando o samba nas novas noites de samba carioca acompanhadas de um trio de excelência musical, só poderá dar como resultado um show encantador.

Serviço:

Projeto Quartas Brasileiras

“Um tributo a Jamelão” com Ana Costa e Áurea Martins

Dia: 29 de janeiro (quarta-feira)

Horário: 16 horas

Local: Imperator – Centro Cultural João Nogueira

Endereço: Rua Dias da Cruz 170, Méier. Tel: 2597-3897

Classificação etária: Livre

Ingressos: R$ 50 (inteira) e R$ 25 (meia)

Lotação da casa: 724

Artigo anteriorChef Christiano Ramalho comanda Bistrô da Casa da Glória
Próximo artigo36ª Feira do Livro de Brasília
Avatar
A jornalista Isabel Almeida, trabalha atualmente na Embrapa, é editora do site bsbflash, youtuber do canal Flash Brasília e escreve em diversos sites como: colunista do jornal Alô Brasília. Natural de Brasília, já trabalhou em diversos órgãos do DF, como na Secretaria de Educação; na Administração Regional do Gama; na Secretaria de Saúde, na Câmara Distrital, e também em GO, na prefeitura de Valparaíso, na gestão de José Valdécio . Atuou também no Conselho Federal de Engenharia e Agronomia- Confea, foi editora da revista Fala Prefeito; e colunista da revista AC/DF e colunista do site AIB News do Rio de Janeiro. Desde 2010 é vice-presidente da Câmara de Comércio Brasil e Portugal,e em 2016, foi nomeada presidente do Conselho comunitário do Octogonal e Sudoeste.