Bsb Flash

Volta às aulas: o cartão de vacinação do seu filho está em dia?

Após meses de contato estritamente virtual, escolas, alunos e pais se preparam para a volta do ano letivo presencial em diversos estados. Além dos cuidados necessários em tempo de pandemia, especialistas têm chamado atenção para a atualização dos cartões de vacinação. Em alguns estados como Paraná, Roraima e Paraíba, uma lei estadual obriga a apresentação do cartão de vacinação atualizado, no ato da matrícula na escola. A medida serve para instituições de ensino públicas e privadas

Como a maioria das escolas não exige o documento, a atualização do cartão de vacina acaba ficando de lado, especialmente em ano de pandemia. Segundo dados do Ministério da Saúde, a cobertura vacinal vem em queda há cinco anos, mas em 2020 atingiu as piores médias. Entre os motivos para os resultados baixos, pode estar o receio da transmissão da covid-19.

Especialistas da Fundação Oswaldo Cruz (Fiocruz) afirmam que, nos últimos cinco anos, o número de crianças vacinadas diminuiu. Em 2018, por exemplo, quase 100% (99,7%) das crianças foram vacinadas com a BCG, que protege contra a tuberculose. Já em 2020, esse percentual caiu para menos de 64% (63,88%).

“A vacinação é a forma  mais eficaz de proteger as crianças de diversas doenças graves e que podem ser evitadas por vacinas. Entretanto, a queda da cobertura vacinal pode possibilitar o retorno da poliomielite, sarampo, surtos de febre amarela por falta de vacinação, entre outras doenças evitáveis, que estão no calendário de vacinação da criança e do adolescente”, diz a médica infectologista e gerente médica do Sabin Imunização, Ana Rosa dos Santos.

A queda e a estagnação dos índices de vacinação são fenômenos mundiais. Segundo a Organização das Nações Unidas (ONU) e o Fundo das Nações Unidas para a Infância (Unicef), 20 milhões de crianças em todo o mundo não foram vacinadas contra doenças como o sarampo, a difteria e o tétano em 2018. Essa situação resultou em surtos de sarampo em muitas partes do mundo, incluindo o Brasil.

“As vacinas estão há mais de 200 anos combatendo doenças infecciosas. Mas, para garantir a erradicação de doenças, é essencial que todos continuem seguindo o Calendário Nacional de Vacinação”, pontua a especialista.

No Distrito Federal, o Sabin oferece serviço de imunização que atua diretamente em programas de saúde e qualidade de vida, oferecendo prevenção e controle de doenças por meio da vacinação. Estão disponíveis, em unidades e também através do serviço em domicílio, onde é possível adquirir as doses pela loja virtual, mais de 20 tipos de vacinas previstas no calendário de vacinação de bebês, crianças, adolescentes, adultos, mulheres, idosos, trabalhadores e viajantes.

“Estamos oferecendo ainda orientação do cartão de vacinas nas escolas evitando o atraso do esquema de vacinação. As altas coberturas têm sua importância no impacto coletivo e a rede privada contribui de forma complementar, ”diz Ana Rosa.

Compartilhe

Share on facebook
Facebook
Share on twitter
Twitter
Share on pinterest
Pinterest
Share on linkedin
LinkedIn

Atualizações Recentes

Especialistas abordam temas da área condominial

Ana Tereza Basílio, vice-presidente da OAB-RJ, Rita Cortez, presidente do IAB Nacional, a advogada Wania Baeta, os advogados Antero Parahyba, Arnon Velmobitsky, Miguel Zaim e

Amigos do Pintassilgo fazem homenagem a Mauro Magalhães

Após tomar as duas doses da vacina contra o Covid-19, o ex-deputado Mauro Magalhães, 87, recebeu homenagem pelo seu aniversário de amigos do Bloco Pintassilgo,

Trio de Ouro reestreia na Casa Julieta de Serpa

Está de volta à Casa Julieta de Serpa o Chá Musical Trio de Ouro, dirigido por Carlos Alberto Serpa, com figurinos de Beth Serpa, arranjos

Semana do Índio é comemorada online por conta da pandemia

#  Grupo Walê Fulni-ô teve que se adaptar também aos novos formatos por conta do Covid-19 e faz apresentações a distância para escolas e púbico

%d blogueiros gostam disto: