Acessórios assumem papel de destaque no look da folia em 2020 que também pode vir carregado de mensagens de militância política e social

No carnaval  2020 os acessórios assumem papel de destaque na composição do visual, que este ano, deve aparecer com roupas e fantasias mais simples, mas com adereços caprichados e com cores vivas. As pochetes e as viseiras se tornaram os trends no pré-carnaval e vão tomar conta da folia. A  consultora de imagem e stylist do Estação da Moda Shopping, Bia Boaventura, aposta também nas tiaras chamativas e volumosas, turbantes, flores e brincos irreverentes.

Bia explica que a moda carnavalesca é muito passageira e fugaz, mas ao mesmo tempo com uma infinidade de opções, que a cada ano ganha uma novidade, mas sem perder totalmente as referências do ano anterior. “Esse ano por exemplo, sai o sereismo que foi muito forte em 2018 e 2019, e permanecem as viseiras e os adesivos para o colo, seios e rosto”. Outro tema em alta, de acordo com a consultora de moda, são as fantasias militantes, aquelas que reforçam o empoderamento feminino e até mesmo o posicionamento político, mas tudo com muito bom humor e ousadia.

As meias coloridas ¾ invadem também as ruas com diferentes propostas. Para Bia, a peça stylist ganha uma pegada mais divertida e mais underground. “Uma dica de uso básica é uma meia rosa clara, com body rosa chock, tiara chamativa no tom dourado e um max brinco de pluma ou brinco menor de pedrarias”, recomenda a stylist que revela que os tutus (saias de balé) devem ser reaproveitadas do ano passado para compor os looks.

Acessórios como a pochete, que retornou direto dos anos 90, estão com tudo, e ganharam uma roupagem com o tom do momento: o flúor. Reformuladas, elas chegam às ruas com texturas metalizadas, em materiais diversos como em lantejoulas que garantem brilho e a pegada carnavalesca.

Bia explica que o investimento em looks especiais para o carnaval é um movimento recente nos estados do interior do País. Segundo ela, os bloquinhos caíram no gosto do brasileiro que está mais distante dos principais polos foliões como Rio de Janeiro e São Paulo. A indústria da moda não demorou a perceber isso, e agora, temos coleções cápsulas específicas para essa época, as pessoas gostam de se produzir. “Embora sempre tenha uma tendência, a regra é não ter regra já que a ocasião é lúdica e o momento é de irreverência” pontua.

Artigo anteriorBourbon Street recebe Flavia K na Soul Black
Próximo artigoCarnaval, bebidas alcoólicas e o coração
Avatar
A jornalista Isabel Almeida, trabalha atualmente na Embrapa, é editora do site bsbflash, youtuber do canal Flash Brasília e escreve em diversos sites como: colunista do jornal Alô Brasília. Natural de Brasília, já trabalhou em diversos órgãos do DF, como na Secretaria de Educação; na Administração Regional do Gama; na Secretaria de Saúde, na Câmara Distrital, e também em GO, na prefeitura de Valparaíso, na gestão de José Valdécio . Atuou também no Conselho Federal de Engenharia e Agronomia- Confea, foi editora da revista Fala Prefeito; e colunista da revista AC/DF e colunista do site AIB News do Rio de Janeiro. Desde 2010 é vice-presidente da Câmara de Comércio Brasil e Portugal,e em 2016, foi nomeada presidente do Conselho comunitário do Octogonal e Sudoeste.