A desembargadora Teresa de Andrade Castro Neves, do Plantão Judiciário de Segunda Instância, acatou o pedido do advogado João Basílio ( Basílio, Advogados) , pela Associação Brasileira de Empresas de Transporte Terrestre de Passageiros ( ABRATI) , para que as três principais prestadoras de serviços do Buser (uma espécie de uber dos ônibus) parem de funcionar no Rio de Janeiro.

As empresas Agência de Viagens e Turismo Ltda, Martins Pacheco Transporte e Turismo e Marlu Turismo, que vendiam passagens ppelo aplicativo da Buser, a preços mais baratos, já foram intimadas da decisão da 23a Câmara Cível do TJRJ.

“As prestadoras de serviços da Buser não têm autorização da Agência Nacional de Transportes Terrestres para vender passagens individuais. Somente os ônibus ligados à ABRATI, que saem da Rodoviária e fornecem seguros e outros dispositivos aos passageiros, têm permissão legal para atuar. As empresas do aplicativo Buser só têm permissão para fretamentos”- explicou o advogado João Basílio.

Artigo anteriorAulão ajuda estudantes com dicas de redação
Próximo artigoSaturnino Braga defende o diálogo na política
Avatar
A jornalista Isabel Almeida, trabalha atualmente na Embrapa, é editora do site bsbflash, youtuber do canal Flash Brasília e escreve em diversos sites como: colunista do jornal Alô Brasília. Natural de Brasília, já trabalhou em diversos órgãos do DF, como na Secretaria de Educação; na Administração Regional do Gama; na Secretaria de Saúde, na Câmara Distrital, e também em GO, na prefeitura de Valparaíso, na gestão de José Valdécio . Atuou também no Conselho Federal de Engenharia e Agronomia- Confea, foi editora da revista Fala Prefeito; e colunista da revista AC/DF e colunista do site AIB News do Rio de Janeiro. Desde 2010 é vice-presidente da Câmara de Comércio Brasil e Portugal,e em 2016, foi nomeada presidente do Conselho comunitário do Octogonal e Sudoeste.