Membro do IAB e ex-presidente da União Internacional de Advogados , Paulo Lins e Silva afirmou em recente encontro de juristas do Direito da Família que “hoje, o Poder Legislativo está mais preocupado em ocupar espaços políticos e atender os interesses do Executivo “.
O interesse da Ordem Pública, da sociedade em geral, de proteção à família, está adormecido. O STF pode ressurgir para legislar. Como aconteceu nos anos 60, quando teve o ministro Vitor Nunes Leal como um de seus magistrados com experiência no Direito de Família. Hoje, a Corte Suprema tem o ministro Edson Fachin como jurista com conhecimento e carreira no Direito de Família”.
Homenageado recentemente pela Ordem dos Advogados Portugueses, Paulo Lins e Silva afirma que o Direito de Família, atualmente, está mais atualizadoe atende ao clamor social, independentemente do Poder Legislativo.
Por influência religiosa, tal como ocorreu nos anos 60 e 1970, quando derrubavam anteprojetos do saudoso senador Nelson Carneiro- precursor da Lei do Divórcio – , o Poder Legislativo, hoje, tem estancados projetos importantes por bancadas conservadoras ( e religiosas). É hora de acordar. E deixar a religiosidade de lado para atender à evolução das leis concluiu.
Artigo anteriorAdote a pegada industrial e tenha um ano mais arrojado e inspirador
Próximo artigoBloco Órfãos do Brizola
Avatar
A jornalista Isabel Almeida, trabalha atualmente na Embrapa, é editora do site bsbflash, youtuber do canal Flash Brasília e escreve em diversos sites como: colunista do jornal Alô Brasília. Natural de Brasília, já trabalhou em diversos órgãos do DF, como na Secretaria de Educação; na Administração Regional do Gama; na Secretaria de Saúde, na Câmara Distrital, e também em GO, na prefeitura de Valparaíso, na gestão de José Valdécio . Atuou também no Conselho Federal de Engenharia e Agronomia- Confea, foi editora da revista Fala Prefeito; e colunista da revista AC/DF e colunista do site AIB News do Rio de Janeiro. Desde 2010 é vice-presidente da Câmara de Comércio Brasil e Portugal,e em 2016, foi nomeada presidente do Conselho comunitário do Octogonal e Sudoeste.