Reino da Arábia Saudita trabalha em prol do empoderamento das mulheres

O Reino da Arábia Saudita reconhece o valor das mulheres no desenvolvimento e sua importância social nos diferentes âmbitos, por este motivo, a tendência de empoderar as mulheres no reino, tornou-se um assunto fundamental, e os esforços mais valiosos estão sendo feitos para que isto aconteça.

O Ministério de Recursos Humanos e Desenvolvimento Social teve como objetivo, empoderar as mulheres Sauditas por meio de programas de empoderamento, treinamento e liderança para aumentar a participação de mulheres líderes como tomadoras de decisões, e para capacitá-las a assumir posições de liderança no país.

Esses programas resultaram em estatísticas que comprovam o sucesso destes esforços, já que o Ministério de Recursos Humanos e Desenvolvimento Social publicou relatórios indicando que o indicador da participação econômica das mulheres no mercado de trabalho aumentou 25%, enquanto a taxa de desemprego entre as mulheres diminuiu e a porcentagem de participação das mulheres no desenvolvimento econômico aumentou durante o primeiro trimestre do ano de 2020.

No primeiro trimestre do ano de 2020, o índice de participação das mulheres no mercado de trabalho – da força de trabalho – para o primeiro trimestre do ano de 2020 aumentou para 27,5%. Estes dados, sem dúvida, refletem o sucesso do plano de formação inicialmente elaborado pelo Ministério.

Os programas de treinamento não se limitaram a uma área, como explicou a Subsecretária para o Empoderamento das Mulheres, Sra. Hind Bint Khalid Al Zahid, sendo que mais iniciativas destinadas a empoderar as mulheres serão implementadas e lançadas, dentre elas, sendo a mais importante encontramos: “Iniciativa de Treinamento e Formação em Liderança para Líderes Femininas – Visão 2030”.

Este programa tem como objetivo aumentar a visibilidade das mulheres líderes e as porcentagens de emprego das mesmas em cargos efunções de liderança.

A Subsecretária para o Empoderamento das Mulheres, Sra. Hind Bint Khalid Al Zahid mostrou também a importância do próximo projeto do Ministério intitulado “Uma Estratégia para o Trabalho Remoto na Função Pública”, por ser um dos projetos mais importantes que buscam empoderar as mulheres e valorizar seu papel de liderança, e por ser uma das iniciativas do “Plano Nacional de Transformação 2020”. (1)

Além dos projetos de treinamento e capacitação que o Governo do Reino da Arábia Saudita oferece à Mulher Saudita, ele garante seus plenos direitos e valoriza seu papel de mãe, esposa ou filha, e proporciona a ela um ambiente de trabalho confortável e adequado. Por exemplo, o Ministério do Trabalho aprovou uma série de direitos garantidos às gestantes, pois elas têm direito a tirar férias com vencimento integral por um período de 10 semanas, a serem distribuidas conforme desejarem. E, caso tenham um filho que padece de uma doença ou com necessidades especiais, elas têm direito a uma licença maternidade de um mês – prorrogável – após o parto.

A mulher tem também o direito de tirar uma hora por dia durante o exercício do seu trabalho para amamentar o filho sem que isso afete seu salário, e o empregador deve fornecer assistência médica à trabalhadora durante o período de gravidez e parto.

A lista de direitos ainda continua e se estende, e isso deixa bem clara a flexibilidade do ambiente desfrutado pelas mulheres trabalhadoras Sauditas. Isso levou ao incentivo das mulheres, como resultado desse empoderamento e fortalecimento, para assumir importantes posições de liderança. Pois, em 2011, o Rei Abdullah – que Deus tenha misericórdia dele – anunciou a participação das mulheres na composição do Conselho Shura, que é a mais alta Autoridade Consultiva no Reino, e receberam, em 2015, o direito de concorrer ao Conselho Municipal, sendo que foram nomeadas para 10 dos 284 conselhos municipais.

Além do fato de as mulheres terem se tornado membro do Conselho Shura e membro do Conselho Municipal, elas também alcançaram muitos cargos de alto escalão, pois se tornaram embaixadoras, vice-ministras, porta-vozes, diretoras executivas e diretoras de programas internacionais, e no novo organograma do Ministério da Justiça, de forma oficial, por meio da criação de um departamento feminino pela primeira vez na história do Ministério, no qual as mulheres foram designadas a uma série de funções notariais, ao autorizar 57 mulheres a realizar serviços de documentação durante o expediente inteiro, semelhante ao número de seus colegas notários (2).

Não há dúvida de que nos próximos anos, o mundo testemunhará o surgimento de nomes de Mulheres Sauditas importantes e influentes no mundo, pois, foi o próprio Príncipe Herdeiro do País delas quem declarou: “Eu apoio a Arábia Saudita, e a metade da Arábia Saudita são mulheres, então eu apoio as mulheres”. Esta declaração representa um Governo que acredita piamente na importância do empoderamento das mulheres como parte integral dele.

Fonte: brasiliainfoco.com